Cerca de 100 milhões de brasileiros não têm coleta de esgoto

De acordo com o estudo, os municípios com os piores indicadores investem em média 340% a menos do que os que têm maior acesso aos serviços

Cerca de 100 milhões de brasileiros não dispõem de rede de coleta de esgoto, e 35 milhões não têm acesso a água tratada. É o que mostra relatório divulgado nesta terça-feira (22), Dia Mundial da Água, pelo Instituto Trata Brasil (ITB).

A pesquisa escancara o déficit de saneamento básico no país. Os seis piores municípios do Brasil em acesso a saneamento básico estão na região Norte. O líder negativo do ranking é a capital do Amapá, Macapá, seguida por Porto Velho (RO), Santarém (PA), Rio Branco (AC), Belém (PA) e Ananindeua (PA).

Na outra ponta, entre as seis cidades que têm os melhores índices, quatro são do estado de São Paulo. A lista é puxada por Santos, no litoral paulista, à frente de Uberlândia (MG), São José dos Pinhais (PR), São Paulo (SP), Franca (SP) e Limeira (SP).

De acordo com o estudo, os municípios com os piores indicadores investem em média 340% a menos do que os que têm maior acesso aos serviços.

Isso ocorre em um cenário em que apenas metade do volume de esgoto gerado no Brasil é tratado, o que equivale a mais de 5,3 mil piscinas olímpicas de esgoto sem tratamento todos os anos.

“Essa edição de 2022 evidenciou uma estagnação dos municípios que sempre estão nas piores posições. O que nos assusta é que estas cidades, mais uma vez, são da região Norte do país, onde o acesso ao saneamento ainda é mais deficitário do que em outras regiões. Há capitais que estão trabalhando nos últimos anos para saírem dessa posição, mas não é a regra, é a exceção”, avalia Luana Siewert Pretto, presidente-executiva do Instituto Trata Brasil.

O Trata Brasil avaliou ainda os investimentos nas capitais: entre 2016 e 2020, foram investidos cerca de R$ 23 bilhões em saneamento básico. Segundo o relatório, o valor é insuficiente para o Brasil cumprir a meta, instituída no Novo Marco Legal do Saneamento, de fornecer água para 99% da população e coleta e tratamento de esgoto para 90%, até 2033.

A nova edição do Ranking do Saneamento Básico aborda indicadores de água e esgotos nos 100 municípios brasileiros mais populosos. Divulgado desde 2009, o relatório é baseado em dados do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), do Ministério do Desenvolvimento Regional.

Ranking do Saneamento Básico

10 piores cidades

1- Macapá (AP)

2- Porto Velho (RO)

3- Santarém (PA)

4- Rio Branco (AC)

5- Belém (PA)

6- Ananindeua (PA)

7- São Gonçalo (RJ)

8- Várzea Grande (MT)

9- Gravataí (RS)

10- Maceió (AL)

10 melhores cidades

1- Santos (SP)

2- Uberlândia (MG)

3- São José dos Pinhais (PR)

4- São Paulo (SP)

5- Franca (SP)

6- Limeira (SP)

7- Piracicaba (SP)

8- Cascavel (PR)

9- São José do Rio Preto (SP)

10- Maringá (PR)

Panorama dos 20 piores municípios

Historicamente, as piores posições do Ranking do Saneamento Básico são ocupadas por municípios da região Norte, Nordeste e pelo estado do Rio de Janeiro. Há também uma predominância de cidades do Paraná, São Paulo e Minas Gerais nas melhores posições.

O relatório mostra que somente 31,78% das pessoas nos 20 piores municípios são abastecidas com coleta de esgoto, enquanto nos 20 melhores o percentual chega a 95,52%. Em Santarém (PA), que registra o menor índice de esgoto, apenas 4,14% da população têm acesso aos serviços.

Quando analisado o critério de acesso a redes de água potável, 99,07% da população das 20 melhores cidades tem acesso ao recurso, contra 82,52% da população entre os 20 piores municípios com o serviço. CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e