Saúde

Infectologista diz que estamos caminhando talvez para o pior momento da pandemia’

Medidas restritivas como as que serão anunciadas nesta sexta-feira (22) em São Paulo são necessárias para evitar que o número de casos e mortes por Covid-19 continuem aumentando pelo país, avalia o  infectologista e diretor da Sociedade Brasileira de Imunizações (SBIm) Renato Kfouri. "É absolutamente necessário, não há outra opção a ser feita. Estamos caminhando talvez para o pior momento da pandemia. O aumento de casos vem chegando próximo ao pico de junho, julho. A letalidade felizmente não vem acompanhando, em razão da melhora da nossa assistência e de hoje os mais jovens estarem sendo acometidos. Mas estamos caminhando para mais de mil mortos por dia, voltamos a essas taxas. Com esse evoluir da pandemia, são necessárias medidas mais agressivas", avalia. Enquanto as vacinas não chegam para todos, os cuidados repetidos desde março do ano passado devem continuar sendo tomados, explica. "É preciso que a população não relaxe, essa sensação de que as vacinas estão chegando não pode ser...
Leia mais

Governo Bolsonaro gasta quase R$ 90 milhões em remédios ineficazes

O governo do presidente Jair Bolsonaro (sem partido) já gastou quase R$ 90 milhões com a compra de medicamentos sem eficácia comprovada no tratamento da covid-19, como cloroquina, azitromicina e o Tamiflu. Ao mesmo tempo, ainda não pagou o Instituto Butantan, que entregou as primeiras doses de vacinas aplicadas no Brasil. Desde o início da pandemia, tanto o presidente da República quanto o ministro da Saúde, Eduardo Pazuello defenderam o chamado "tratamento precoce" para a Covid-19 — ou seja, o uso de medicamentos como os citados acima nas fases iniciais da doença. Os medicamentos, no entanto, se mostraram ineficazes em diversos estudos rigorosos realizados ao redor do mundo. Até agora, os gastos da União com cloroquina, hidroxicloroquina, Tamiflu, ivermectina, azitromicina e nitazoxanida somam pelo menos R$ 89.597.985,50, segundo levantou uma reportagem da BBC News Brasil por meio de fontes públicas. Algumas das drogas, como o antiparasitário nitazoxanida, pareceram funcionar contra o vírus em testes in vitro, ou seja, em laboratório. Mais tarde, porém,...
Leia mais

Brasil registra 1.340 mortes por covid-19 em 24h

O Brasil teve nesta quarta-feira o dia com o segundo maior número de novas mortes registradas em 2021. Em 24 horas, foram notificados 1.340 novos óbitos por covid-19. O resultado ficou atrás apenas do dia 7 de janeiro, quando foram confirmadas 1.524 novos falecimentos. Situação epidemiológica da covid-19 no Brasil - Divulgação/Ministério da Saúde Com as novas mortes de hoje, as vidas perdidas para a pandemia do novo coronavírus subiram para 212.831. Ontem, o painel do Ministério da Saúde trazia 211.491 óbitos. Ainda há 2.811 falecimentos em investigação por equipes de saúde. Já o número de casos desde o início da pandemia totalizou 8.638.249. Entre ontem e hoje, as autoridades de saúde confirmaram 64.385 novos diagnósticos positivos de covid-19. Ontem, o número de casos acumulados estava em 8.573.864. As informações constam do balanço diário do Ministério da Saúde. A atualização, produzida a partir do levantamento das secretarias de saúde dos estados sobre mortes e casos, foi divulgada na noite desta quarta-feira...
Leia mais

Vacinas não são capazes de impedir sequelas do novo coronavírus

Perda de olfato, paladar e memória. Falta de apetite. Recuperar-se da Covid-19 ainda está longe de ser um passaporte para se ver livre da doença. Segundo um estudo feito na Itália e publicado no Journal of the American Medical Association (JAMA), pouco mais de 87% dos 143 pacientes avaliados relataram que pelo menos um sintoma do novo coronavírus persistiu depois de dois meses após as altas. As notificação de casos de reinfecção mostraram que ninguém está imune ao vírus. No último domingo (17), a Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) aprovou o uso emergencial das vacinas Cononavac e a de Oxford em parceria com o laboratório  AstraZeneca, dando um sopro de esperança para todos que estão ansiosos para voltar à vida normal. No entanto, é preciso saber que o imunizante não evita as sequelas em caso de contaminação. “Estes sintomas são complicações clínicas. O que muda com a vacina é que os sintomas serão mais leves e não deve ter internação hospitalar”,...
Leia mais

Opas: distanciamento continua fundamental, mesmo com vacinação

No momento em que a vacinação começa nas Américas, a Organização Pan-Americana da Saúde (Opas) alertou hoje (19) que ainda haverá um longo caminho até a imunização massiva e, enquanto isso não ocorrer, é fundamental manter as medidas de distanciamento social e de prevenção ao novo coronavírus. Sete países das Américas já iniciaram seus programas de vacinação: Brasil, Canadá, Estados Unidos, México, Argentina, Chile e Costa Rica. Diante desse contexto, a diretora da Opas, Carissa Etienne, fez um chamado aos governantes da região para não “baixar a guarda” neste momento e salvar vidas. “As vacinas vão ajudar a salvar vidas. Estamos cientes de que ainda não há doses para atingir o impacto da transmissão [do vírus] no curto prazo. As doses disponíveis são poucas. E esses fatores mostram a necessidade de intensificar as ações do sistema de saúde para limitar a exposição ao vírus. Distanciamento social, evitar aglomeração e lavagem das mãos são nossas melhores esperanças”, disse Carissa, em entrevista...
Leia mais

Recusa à vacina ou ao uso de máscara pode levar à demissão por justa causa

A campanha nacional de vacinação contra a Covid-19 está prestes a começar, mas, em meio à disseminação de desinformação, muitos brasileiros afirmam que não irão tomar o imunizante. A decisão, no entanto, pode custar o próprio emprego. A recusa à vacina ou ao uso de máscara aumenta as chances de contrair a doença, e o empregado pode ser demitido por justa causa. Em dezembro, o Supremo Tribunal Federal (STF) decidiu que a imunização pode ser obrigatória, mas não feita à força. Assim, os brasileiros que não quiserem ser vacinados estarão sujeitos às sanções previstas em lei, como multa e o impedimento de frequentar determinados lugares. A Constituição Federal impõe às empresas a obrigação de garantir um ambiente de trabalho seguro aos seus empregados. Para isso, elas podem incluir em seus protocolos e programas de Controle Médico de Saúde Ocupacional (PCMSO), a vacinação obrigatória, além do uso de máscaras. Nesse caso, aqueles que não apresentarem motivos justificáveis para a recusa à...
Leia mais

Anvisa decide autorização emergencial para uso de vacinas

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) se reúne hoje (17) para decidir os pedidos de autorização para uso emergencial de vacinas contra a covid-19. A diretoria colegiada do órgão começa a discutir as solicitações às 10h. A reunião será transmitida pelos canais digitais da Anvisa e pela TV Brasil. O Instituto Butantan, em parceria com a farmacêutica chinesa Sinovac, e a Fundação Oswaldo Cru (Fiocruz), parceira do consórcio Astrazeneca/Oxford, entraram com requerimentos de autorização em caráter emergencial para suas vacinas. A primeira etapa de verificação analisou se a documentação e as informações essenciais estavam nos materiais apresentados pelos centros de pesquisa. Após essa triagem, os técnicos da Anvisa passaram a examinar os relatórios enviados e os dados constantes nos requerimentos submetidos. No total, três áreas da agência fizeram exame da documentação apresentada: a de registro de medicamentos, a de boas práticas de fabricação e a de farmacovigilância de medicamentos. Cada setor elaborou um parecer, que servirá como subsídio para a análise e decisão da...
Leia mais

O 1º inseto considerado alimento para a UE é larva encontrada em farinha

As larvas da farinha podem em breve entrar nas tigelas de macarrão e nos pratos de jantar da Europa, depois de se tornar o primeiro inseto aprovado na região como alimento humano. A decisão de quarta-feira da Agência Europeia de Segurança Alimentar (EFSA) abre caminho para que as larvas amarelas sejam usadas inteiras e secas em curry e outras receitas e como farinha para fazer biscoitos, massas e pão. Apesar do nome, larvas de farinha são larvas de besouro, e não vermes, e já são usadas na Europa como ingrediente de ração para animais de estimação. Rico em proteína, gordura e fibra, eles provavelmente serão os primeiros de muitos insetos a aparecer nas placas europeias nos próximos anos, disse o químico e cientista alimentar da EFSA, Ermolaos Ververis, à Reuters. Sob sua supervisão, larvas de farinha foram os primeiros insetos que a agência da UE avaliou sob um regulamento de "alimento novo" que entrou em vigor em 2018, desencadeando uma enxurrada...
Leia mais

Janeiro Branco pede atenção para o aumento do consumo de álcool

No mês escolhido pela Organização Mundial da Saúde (OMS) para reforçar a atenção para a saúde mental e prevenir as patologias, um dos principais alertas do Centro de Informações sobre Saúde e Álcool (Cisa) é para a relação entre o uso do álcool e problemas emocionais. Segundo a entidade, o Janeiro Branco pretende chamar a atenção para o tema, principalmente no período de confinamento em decorrência da convid-19, que se estende desde março do ano passado até os dias atuais, e que vem mostrando o aumento no consumo de álcool, além do fato de que a pandemia tem desencadeado transtornos mentais ou agravamento dos existentes. Segundo uma pesquisa da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), realizada em parceria com as universidades Federal de Minas Gerais e Estadual de Campinas, no período de 24 de abril a 8 de maio de 2020, indicou que o aumento do estado depressivo pode estar relacionado ao aumento do consumo de álcool relatado durante a pandemia:...
Leia mais

Estoques de sangue caem 19%, Inca convoca doadores

Os estoques de sangue do Instituto Nacional de Câncer José Alencar Gomes da Silva (Inca) caíram 16% desde o início da pandemia do novo coronavírus. E, com os eventos de fim de ano, como Natal e Ano novo, somados ao período de férias em janeiro, a queda no estoque do banco de sangue da instituição chegou a 19%. A redução do número de doadores afeta muito o estoque, que atende todas as unidades do Inca, afirmou hoje (13) a assistente social Karla Savedra, responsável pela captação do Serviço de Hemoterapia do Inca. Karina lembrou que o Inca tem quatro unidades hospitalares e que o tratamento continua. "O paciente continua necessitando de transfusão de sangue para dar continuidade ao tratamento.” Segundo Karla, o ideal é ter, em média, 70 doadores por dia para garantir com tranquilidade o estoque de sangue. Atualmente, a média de doadores no Inca é de 30 pessoas por dia. “Caiu cerca de 50%. Foi uma redução bem significativa....
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e