Política

Governo vai fazer pente fino em 2 milhões de benefícios do INSS

O governo federal vai fazer uma auditoria em 2 milhões de benefícios pagos pelo Instituto Nacional do Seguro Social (INSS) que têm indícios de irregularidade. O anúncio foi feito pelo secretário Especial da Previdência e Trabalho, Rogério Marinho, após reunião, no Palácio do Planalto, para tratar da medida provisória de combate a fraudes no INSS, que deve ser editada pelo presidente Jair Bolsonaro até segunda-feira (14). Marinho se reuniu com os ministros Onyx Lorenzoni (Casa Civil) e Paulo Guedes (Economia) para avaliar o texto da medida provisória. "Há mais de 2 milhões de benefícios que precisam ser auditados, porque têm algum indício de ilicitude. Por isso há necessidade de fazer uma espécie de mutirão para zerar esse estoque", disse Marinho. Segundo o secretário, o mutirão poderá gerar "uma economia significativa", aos cofres públicos. "Há relatórios de ações anteriores, inclusive convalidados pelo TCU [Tribunal de Contas da União], que demonstram uma incidência de 16% a 30% de fraude nesse tipo de benefício". Assinatura...
Leia mais

Guedes pede a presidentes de bancos que façam “a coisa funcionar”

Ao empossar nesta segunda-feira (7), no Palácio do Planalto, os novos presidentes do Banco Brasil, Rubem Novaes, do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), Joaquim Levy, e da Caixa Econômica Federal, Pedro Guimarães, o ministro da Economia, Paulo Guedes, afirmou que a tarefa dos novos dirigentes será “fazer a coisa funcionar direito” e eliminar associações “perversas” como ocorreram nos últimos anos. Segundo ele, essas associações corromperam a economia brasileira e paralisaram o mercado de crédito."A Caixa foi vítima de saques e assaltos de recursos públicos", afirmou o ministro. "Falamos do que já aconteceu com o Banco do Brasil que recebeu aumento de capital e mantém mercado de crédito segmentado", acrescentou. Durante a cerimônia, no Palácio do Planalto, Guedes afirmou que a posse dos novos presidentes dos bancos estatais marca um novo olhar sobre as atividades destas instituições. “As instituições financeiras são como lubrificantes para o crescimento econômico que depende de crédito”, alertou. Crescimento econômico depende de crédito Paulo Guedes reforçou...
Leia mais

Bolsonaro quer transparência em atos dos governos atual e anteriores

O presidente Jair Bolsonaro disse que a transparência será marca de seu governo e reforçou a missão aos novos dirigentes de bancos estatais que assumiram nesta segunda-feira (7) o comando do Banco do Brasil, da Caixa Econômica e do BNDES. Segundo ele, essa tarefa terá que abranger inclusive atos do passado promovidos pelos “amigos do rei” dentro destas instituições. “Transparência acima de tudo. Todos os nossos atos terão que ser abertos para o público. E o que aconteceu no passado também. Não podemos admitir qualquer cláusula de confidencialidade pretérita. Esses atos e ações tornar-se-ão públicos”, afirmou. Bolsonaro destacou que a escolha dos três novos presidentes de bancos foi feita exclusivamente pelo ministro da Economia, Paulo Guedes. Segundo ele, essa liberdade dada a todos os ministros de seu governo inaugura um novo modelo de gestão. “Há pouco, o que mais se ouvia era uma verdadeira briga para definir qual partido ficaria com esta ou aquela diretoria de banco”, afirmou o presidente, destacando que essa...
Leia mais

Onyx anuncia exoneração de 300 comissionados da Casa Civil

O ministro da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, anunciou nessa quarta-feira (2) a exoneração de cerca de 300 servidores comissionados da pasta. Segundo o ministro, o objetivo é iniciar um processo de “despetização”. A medida, de acordo com ele, é promover uma “adequação” dos funcionários com o governo Jair Bolsonaro. "Vamos retirar de perto da administração pública federal todos aqueles que têm marca ideológica clara. Nós todos sabemos do aparelhamento que foi feito principalmente do governo federal nos quase 14 anos que o PT aqui ficou." “Nós vamos despetizar o Brasil”, disse Onyx. “Precisamos ter uma relação zerada. Governo é novo, ou afina com a gente ou muda de casa.” Para o ministro, a medida deveria ter sido tomada há mais de dois anos, quando o então presidente Michel Temer assumiu o governo após o impeachment de Dilma Rousseff. De acordo com Onyx Lorenzoni, se o funcionário quiser permanecer na administração pública será avaliado pela atual gestão, período que deve durar duas semanas. "Competência é questão número um. O que nós vamos buscar...
Leia mais

Ministro da Cidadania diz que 13º do Bolsa Família será pago este ano

O ministro da Cidadania, Osmar Terra, disse que o pagamento do 13º aos beneficiários do programa Bolsa Família está garantido e será feito no fim deste ano. “Vai ter o 13º. O presidente [Jair Bolsonaro] prometeu, e nós vamos fazer cumprir”, afirmou Terra, na cerimônia em que recebeu o cargo do ex-ministro do Desenvolvimento Social Alberto Beltrame. Segundo o ministro, o impacto do 13º no orçamento do Bolsa Família é de aproximadamente R$ 2,5 bilhões, e será necessário um reforço orçamentário para a pasta. “Vamos trabalhar a questão orçamentária, porque nos deram um orçamento perna curta nessa área”, afirmou Terra. Ele acrescentou que o programa passará por uma avaliação geral para que sejam beneficiadas somente as famílias necessitadas. Desafio Em discurso, Terra disse que o desafio da nova pasta, criada a partir da fusão dos ministérios do Desenvolvimento Social, do Esporte e da Cultura, será aprimorar programas já existentes nessas áreas e integrar ações para assegurar a inclusão das populações carentes. De acordo com o...
Leia mais

Proposta de Temer para Previdência pode ser aproveitada

O ministro da Secretaria-Geral da Presidência, Gustavo Bebianno, defendeu nesta quarta-feira(2) a aprovação da reforma da Previdência proposta pelo governo Michel Temer. Segundo ele, será um avanço. “Até como ganho de tempo, entendo que aproveitar o que já está lá, a reforma previdenciária concebida pelo Michel Temer. Acho que é um avanço. E depois, partir para outros ajustes”. Para Bebianno, é necessário aprovar alguns trechos da proposta como uma sinalização positiva para os mercados interno e externo. Ele enfatizou que a questão não está pacificada dentro do governo e que a opinião dele não é uma unanimidade. “Não há uma definição sobre isso. O ministro Paulo Guedes é o responsável, sabe o que faz. No meu entendimento, ganharíamos tempo com a aprovação de, pelo menos, parte do que já está lá. O momento político é favorável, o apoio popular é muito grande”. Diálogo A exemplo do ministro-chefe da Casa Civil, Onyx Lorenzoni, defendeu o diálogo entre governo e oposição. O ministro da Secretaria-Geral da...
Leia mais

Michelle Bolsonaro quebra protocolo e discursa em libras no Parlatório

Quebrando o protocolo do cerimonial, a primeira-dama Michelle Bolsonaro fez hoje (1º) um breve discurso, de pouco mais de 3 minutos, no Parlatório do Palácio do Planalto, antes do pronunciamento do presidente Jair Bolsonaro à nação. O discurso dela foi em libras (linguagem de sinais destinada à comunidade surda), na qual é especialista, e traduzido simultaneamente. Michelle Bolsonaro prometeu atuar em favor das pessoas com deficiência e daqueles que se julgam esquecidos pela sociedade. De acordo com ela, há um “chamado” no seu coração para se dedicar ao próximo e agora como primeira-dama poderá ampliar as atividades sociais que já desempenha. “Vocês serão valorizados e terão os direitos respeitados. Tenho esse chamado no meu coração e desejo contribuir na promoção do ser humano.” Emocionada, Michelle Bolsonaro destacou que o desejo coletivo veio das urnas. “As eleições deram voz a quem não era ouvido e a voz das urnas foi clara: o cidadão brasileiro quer segurança, paz e prosperidade. Um país em que todos sejamos respeitados.” Em um...
Leia mais

Bolsonaro diz que Brasil começa “a se libertar do socialismo”

O novo presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, afirmou nesta terça-feira que, com sua posse como ocupante do cargo, "o povo começou a se libertar do socialismo, da inversão de valores, do gigantismo estatal e do politicamente correto". Bolsonaro, que venceu as eleições de outubro em segundo turno contra Fernando Haddad (PT), discursou para uma multidão que o ovacionava no Palácio do Planalto após receber a faixa presidencial de seu antecessor, Michel Temer. Segundo o novo presidente, as eleições de outubro "deram voz a quem não era ouvido" e o colocaram "à frente da nação" para "servir à Pátria", "a Deus" e ao povo brasileiro. O líder indicou que "ainda há muitos desafios pela frente" e que não se pode deixar que "ideologias nefastas dividam os brasileiros" e "destruam" as famílias. Bolsonaro também se comprometeu a "restabelecer padrões éticos e morais" e acabar com a corrupção, os privilégios e as vantagens ilícitas, para que "o governo e a economia sirvam a sério a...
Leia mais

Lula afirma que 2019 será ano de resistência e que não baixará a cabeça

O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, preso desde abril e condenado a 12 anos de prisão, afirmou que 2019, ano em que Jair Bolsonaro inicia seu mandato como chefe de Estado, será de resistência e que não baixará a cabeça. "Eles podem prender uma pessoa, como fizeram comigo, mas não podem encarcerar nossas ideias, muito menos impedir o futuro. 2019 será um ano de muita resistência e muita luta, para impedir que o nosso povo seja ainda mais castigado do que já foi. O Brasil precisa mudar, sim, mas mudar para melhor", declarou Lula em mensagem de ano novo que escreveu em sua cela e que foi divulgada no site do PT. A mensagem de Lula foi publicada algumas horas antes de Bolsonaro iniciar um mandato de quatro anos, nos quais promete que o Brasil porá fim às políticas de esquerda que o PT impulsionou em 13 anos de governo. "Nosso objetivo em 2019 deve ser a defesa do povo...
Leia mais

No discurso de posse, Bolsonaro pede apoio para reconstruir o país

Logo após fazer o juramento de posse no Congresso Nacional, Jair Bolsonaro  foi empossado às 15h10 presidente do Brasil. Ele jurou "manter, defender e cumprir a Constituição, observar as leis, promover o bem geral do povo brasileiro e sustentar a União, a integridade e a independência do Brasil." O mesmo foi feito por seu vice, Hamilton Mourão. Em seu primeiro discurso como presidente da República, Bolsonaro, em cerca de dez minutos, anunciou, sem detalhar, que fará reformas estruturantes e criará um circulo virtuoso de confiança na economia. Ele pediu o apoio do povo unido e do Congresso para reconstruir o país. Segundo ele, os "enormes desafios" poderão ser superados com a "sabedoria de ouvir a voz do povo." "Aproveito este momento solene e convoco os congressistas para me ajudar na missão de restaurar e de reeguer a nossa pátria. Libertando-a definitivamente do jugo da corrupção, da criminalidade, da irresponsabilidade econômica e submissão ideológica", afirmou.  “Vamos unir o povo, valorizar a família, respeitar as religiões e...
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e