Meio Ambiente

Andes: incêndios na Amazônia intensificam derretimento de gelo

A fumaça originada na queima de florestas da Amazônia pode intensificar o derretimento dos glaciares na América do Sul, o que alimenta preocupações de eventual crise de falta d'água na região. Isto porque o derretimento das geleiras tropicais fornece água para milhões de pessoas. O alerta vem de uma equipe de pesquisadores que recriou, em modelos, o movimento e o efeito das partículas de fumaça nas geleiras andinas e compararam suas conclusões com imagens de satélite. Eles dizem que o impacto da fumaça e do derretimento será sentido em todo o continente. "O desmatamento e os incêndios na Amazônia, que ocorrem principalmente na Bolívia, Peru e Brasil, não podem ser considerados uma questão local", alerta Newton de Magalhães Neto, doutor em geociências pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e pesquisador no Laboratório de Geoprocessamento do Instituto de Geografia Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). "Eles têm implicações sociais em escala continental, porque acelerar a perda de geleiras aumenta o risco de uma...
Leia mais

Efeito estufa: concentrações globais de CO2 atingem novo recorde

Os níveis de gases de efeito estufa na atmosfera atingiram um novo recorde de 407,8 partes por milhão em 2018. No ano anterior, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), registrou uma concentração de dióxido de carbono de 405,5 partes por milhão. Em nota emitida nessa segunda-feira (25), a agência da ONU destaca que essa tendência prossegue a longo prazo, indicando que as presentes e futuras gerações deverão enfrentar impactos cada vez mais severos da mudança climática. Fenômenos climáticos extremos As consequências da situação incluem o aumento constante das temperaturas, a ocorrência de fenômenos climáticos extremos, um maior estresse hídrico, a subida do nível do mar e a alteração dos ecossistemas marinhos e terrestres. O último Boletim da OMM sobre os Gases de Efeito Estufa destaca que, entre 2017 e 2018, a concentração de CO2 foi muito similar a que foi observada no período anterior. Esse nível esteve ligeiramente acima da média na última década. A publicação assinala ainda que os níveis globais do gás...
Leia mais

Existe solução para a poluição causada pelo plástico?

Seguindo com nossa série de reportagens sobre as causas, efeitos e soluções para a poluição plástica em nosso país, O Estado RJ entrevistou com exclusividade o engenheiro químico José Carlos Pinto, professor titular do Programa de Engenharia Química e de Processos Químicos e Bioquímicos da UFRJ/ COOPE -Universidade Federal do Rio de Janeiro. Em recente contribuição à matéria de julho de 2019 publicada na Revista da Fapesp (Fundação de Amparo a Pesquisa do Estado de São Paulo) edição de julho de 2019, o Prof. José Carlos Pinto afirmou: "achar substitutos aos plásticos que causem menos danos à natureza é um desafio". Desafio lançado ao mundo inteiro na busca de soluções, leia abaixo a entrevista que O Estado RJ realizou com o Professor José Carlos, sobre quais as melhores alternativas, na visão dele, para se lidar com a poluição plástica. O Estado RJ: Professor, quais são os tipos de pesquisas que são desenvolvidas no Coppe da UFRJ, bem como se existe alguma...
Leia mais

Biodiversidade ‘pré-histórica’: as piscinas naturais que podem ter chave para ‘cura’ do planeta

À primeira vista, pode parecer um conjunto de lagoas em meio a uma região desértica, rodeada pelo cultivo de alfafa. Mas na água deste oásis existe uma grande diversidade de micro-organismos, similares aos que existiam na primeira era do planeta. É o pântano de Cuatro Ciénegas, localizado em Coahuila, ao norte do México, um lugar único no mundo. Neste conjunto de 200 lagoas existem bactérias que descendem das existentes há milhões de anos, quando não havia oxigênio na atmosfera. Esses seres podem ter a chave para a "cura" do planeta. Esse é um dos aspectos valiosos do pântano, como explica Valeria Souza Saldívar, pesquisadora do Instituto de Ecologia da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM) e considerada uma das maiores especialistas nesse ecossistema. Em meados de outubro, Souza Saldívar ingressou na Academia Americana de Ciências e Artes (AAAS, na sigla original em inglês) como membro estrangeiro honorário por seu trabalho na conexão entre ciência e sociedade. A nomeação para a AAAS — da qual...
Leia mais

Amazônia: desmatamento dispara e atinge maior nível em 11 anos

O desmatamento na floresta amazônica brasileira atingiu neste ano o maior nível em mais de uma década, informou na segunda-feira o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), confirmando dados antecipados pela Reuters no domingo. De acordo com o Inpe, a área desmatada cresceu 29,5% nos 12 meses encerrados em julho, totalizando 9.762 quilômetros quadrados. O número representa o maior nível de desmatamento da Amazônia desde 2008 e confirma dados mensais preliminares que mostravam um aumento significativo do desmatamento durante o governo do presidente Jair Bolsonaro, que defende o desenvolvimento econômico da região. No domingo, fontes ouvidas pela agência de notícias Reuters com conhecimento dos dados afirmaram que a área desmatada seria a maior desde 2008, com base justamente nos dados de desmatamento mensal, apurados pelo sistema Deter, do Inpe. O dado anual, de agosto de um ano a julho do ano seguinte, é apurado pelo sistema Prodes, também do Inpe. A Amazônia é a maior floresta tropical do mundo e é considerada...
Leia mais

Espírito Santo: óleo atinge região da Reserva Biológica de Comboios

Fragmentos do óleo que já atingiu o litoral de toda a região Nordeste e a costa norte do Espírito Santo foram encontrados nesta quarta-feira (13) em mais uma praia capixaba. O novo trecho poluído por pequenas porções de óleo fica na praia de Regência, na cidade de Linhares - município onde, no último fim de semana, locais de desova de tartarugas ameaçadas de extinção já tinham sido atingidos. Na terça-feira (12), porções de óleo também foram encontradas próximo à foz do Rio Doce, no Espírito Santo. Segundo a prefeitura de Linhares, pequenas porções da substância oleosa poluíram a região da Reserva Biológica de Comboios, na praia de Regência, a 120 quilômetros ao norte de Vitória. A informação foi confirmada pelo gestor da unidade de conservação, administrada pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio), Antonio de Pádua Leite. Além de ser sede de uma comunidade que vive principalmente da pesca, o distrito de Regência atrai turistas e muitos...
Leia mais

Mariana: reflorestamento usa mudas de pequenos agricultores

Recuperar 5 mil nascentes e 40 mil hectares de áreas de preservação ambiental na bacia do Rio Doce foi um dos compromissos assumidos pela Samarco e por suas acionistas Vale e BHP Billiton, em acordo firmado em março de 2016 entre o governo federal e os de Minas Gerais e do Espírito Santo. A medida, de caráter compensatório, visa a restaurar a mata nativa além da área que foi degradada após o rompimento da barragem da mineradora em Mariana (MG). Passados quatros anos da tragédia, esse trabalho é reforçado por famílias de trabalhadores rurais. O acordo entre as mineradoras e os governos também levou à criação da Fundação Renova para gerir todas as medidas reparatórias e compensatórias dos danos causados. A entidade firmou com o Movimento dos Trabalhadores Rurais sem Terra (MST) um convênio para produzir, este ano, 150 mil mudas. As famílias também participam do plantio, que foi planejado para o início do período chuvoso e teve início na...
Leia mais

“O pior ainda está por vir”, diz Bolsonaro sobre o óleo que atingiu Nordeste

O presidente Jair Bolsonaro afirmou, em entrevista à TV Record no domingo (3), que “o pior ainda está por vir” e que pode ocorrer uma “catástrofe muito maior” no derramamento de óleo que chegou à costa brasileira, já que o material recolhido até agora seria apenas uma parte do que teria sido derramado.Mancha de óleo em praia de Peroba em Maragogi, Alagoas. De acordo com as últimas informações da Marinha, cerca de 4 mil toneladas de óleo foram retiradas das praias e do mar no Nordeste, mas o governo não sabe o quanto mais ainda pode chegar. No última final de semana, o óleo começou a se aproximar do arquipélago de Abrolhos, área considerada de maior diversidade marinha no Atlântico Sul. “A notícia ruim: o que chegou até agora e foi recolhido é uma pequena quantidade do que foi derramado, então o pior ainda está por vir, não sei se na costa do Brasil”, disse Bolsonaro. O presidente ressaltou que parte...
Leia mais

Sacolas de papel ou algodão podem ser tão ruins para o ambiente quanto as de plástico

Pense na última vez que você recebeu uma sacola com suas compras — era de plástico, papel ou algodão? Não importa. Todas são ruins para o meio ambiente, e especialistas dizem que, para começo de conversa, você não deve nem comprar uma sacola nova. É isso mesmo — até sacolas de papel e de algodão. Na realidade, elas podem ser até pior para o meio ambiente do que sacolas de plástico que são recicladas. O problema é que, quando pensamos sobre sacolas sustentáveis, só focamos no que vai acontecer com ela depois de sua vida útil, mas esquecemos dos custos de fabricar uma sacola, em primeiro lugar. Para calcular o custo ambiental verdadeiro, precisamos levar em consideração: Quanta energia é usada para fazer a sacola durante sua produção; Quantas vezes ela pode ser reutilizada; O quão fácil é reciclá-la; Qual é a rapidez de sua decomposição se é jogada fora. Quatro vezes mais energia Fazer sacolas de papel e algodão tem um custo ambiental. De acordo com...
Leia mais

Petrobras: vazamento é a maior agressão ambiental do país

O vazamento de óleo que tem sido retirado do litoral do Nordeste é a maior agressão ambiental já sofrida pelo Brasil em sua história, disse nesta terça-feira (29), no Rio de Janeiro, o presidente da Petrobras, Roberto Castello Branco. Ele participou de um seminário da Fundação Getulio Vargas (FGV) sobre a matriz energética brasileira e comentou o desastre ambiental. "[O vazamento] é maior agressão ambiental sofrida por nosso país, creio eu, em nossa história", disse. Afirmou que o assunto tem sido abordado de forma "politizada e ideologizada", com "versões falsas" sobre o que poderia ter sido feito. "Na realidade, era impossível combater isso na origem. As empresas de petróleo e a Petrobras estão preparadas para combater vazamentos de petróleo, uma vez identificada a fonte do vazamento", afirmou. Castello Branco comparou a quantidade de óleo retirada das praias ao desastre ambiental no Golfo do México, em que o vazamento partiu da petrolífera British Petroleum (BP). "É semelhante", disse. Ainda não se sabe de...
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e