Meio Ambiente

Nível de dióxido de carbono no ar é o maior desde início das medições

Apesar de uma imensa redução nos deslocamentos e atividades comerciais nos meses de pandemia, a quantidade de carbono na atmosfera terrestre em maio chegou ao maior nível já registrado na história moderna, mostrou um indicador global divulgado nessa segunda-feira (7). Cientistas da Agência Nacional Oceânica e Atmosférica (NOAA, na sigla em inglês) e do Instituto Scripps de Oceanografia, da Universidade da Califórnia em San Diego, disseram que as descobertas, que foram tiradas a partir da quantidade de dióxido de carbono (CO2) no ar, no observatório climático da NOAA em Mauna Loa, no Havaí, são de que a taxa é a mais alta desde o início das medições há 63 anos.  A medição, batizada de curva de Keeling em homenagem a Charles David Keeling, o cientista que começou a rastrear o dióxido de carbono naquele local em 1958, é um padrão de referência para o nível de carbono na atmosfera. Os instrumentos no observatório da NOAA, que fica no topo de uma montanha, registraram 419...
Leia mais

Rio Negro sobe mais um centímetro e supera marca histórica

O nível do Rio Negro atingiu 29,98 metros nesta terça-feira (1), tendo variado um único centímetro, próximo a Manaus (AM), nas últimas 24 horas. Embora seja tecnicamente insignificante, a elevação foi suficiente para que a máxima histórica registrada em 2012, de 29,97 metros, fosse superada. Ontem (31), especialistas afirmaram que o nível do rio pode atingir a marca dos 30 metros nas próximas semanas para, então, se estabilizar e começar a baixar lentamente. Segundo a pesquisadora do Serviço Geológico do Brasil (CPRM) Luana Gripp Simões Alves, há 80% de chances de o nível do Rio Negro chegar aos 30 metros, mas, em termos de volume d´água, isso não significaria prejuízos maiores que os já registrados. “Em termos de volume d´água, o fato de o nível subir um ou dois centímetros a mais impactaria muito pouco”, disse Luana, ontem. A pesquisadora também explicou que as medições comportam uma margem de erro de até cinco centímetros – dentro da qual os resultados vêm variando ao...
Leia mais

Mata Atlântica perde o equivalente a 36 campos de futebol, a cada 24 horas

O Atlas de Remanescentes Florestais publicado nesta quarta-feira (26) apontou que entre os anos de 2019 e 2020 foram desmatados 13.053 hectares de Mata Atlântica no Brasil. Isso equivale aproximadamente à perda de 36 campos de futebol a cada 24 horas. Em relação ao período anterior (2018-2019), houve redução de 9% no desmatamento. O Atlas verificou o total de desflorestamento em 17 estados do país. São eles: Alagoas, Bahia, Ceará, Espírito Santo, Goiás, Minas Gerais, Mato Grosso do Sul, Paraíba, Pernambuco, Piauí, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Norte, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Sergipe e São Paulo. O estado que mais aumentou sua taxa de desmatamento foi o Espírito Santo, que teve um acréscimo de 462% no total de Mata Atlântica perdida, na comparação com o levantamento anterior, com base nos anos de 2018 e 2019. Logo em seguida vem São Paulo, que apresentou aumento de 402% na taxa de desmatamento florestal, acompanhado do Mato Grosso do Sul, com 127%, e...
Leia mais

Mata Atlântica é o bioma com maior captação de água do país

A Mata Atlântica, que em 2010 representava 42% da retirada de água do país, passou a 39% em 2017. Este bioma concentra grande parte da população brasileira e, mesmo com a redução, apresenta a maior captação de água do país, com destaque para o abastecimento urbano. Os dados constam do estudo Contas de Ecossistemas: Condição dos Corpos Hídricos, divulgado hoje (15), no Rio de Janeiro, pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). Tanto em 2010 quanto em 2017, a segunda maior captação foi observada no Cerrado, que passou de 20% da retirada de água do país para 23%. O Cerrado apresentou a maior taxa de crescimento de retirada de água, que se deu principalmente para a irrigação e expansão agrícola. Em terceiro lugar, vem o Pampa, que manteve a taxa de 17% de captação de água em 2010 e 2017. Este bioma, por sua vez, tem grande participação na agricultura irrigada no país, com destaque para o cultivo de arroz. A...
Leia mais

Amazônia perdeu 2,3 milhões de hectares em 2020, 65% deles no Brasil

A Amazônia Internacional perdeu 2,3 milhões de hectares em 2020, 65% no Brasil, país com a maior parte da floresta e também responsável pela maior área devastada, informou nesta terça-feira o Projeto de Monitoramento da Amazônia Andina (MAAP). Segundo o MAAP, a área desmatada durante 2020 em Brasil, Bolívia, Colômbia, Equador, Guiana Francesa, Guiana, Peru, Suriname e Venezuela é 17% maior que a relatada no ano anterior e equivalente à área do estado de Sergipe. Este foi o terceiro pior registro dos últimos 20 anos. EFE ...
Leia mais

70% dos resíduos do mar brasileiro são plástico, mostra estudo

Pesquisa da Associação Brasileira de Empresas de Limpeza Pública e Resíduos Especiais (Abrelpe) mostra que o plástico é responsável por 70% dos resíduos encontrados nos mares brasileiros. Segundo o estudo, realizado durante 2020, o isopor é o segundo resíduo mais presente, com participação de 10%. Os dados, divulgados hoje (25), são do projeto Lixo Fora D’Água, da Abrelpe, iniciado em 2018. De acordo com o levantamento, os resíduos coletados nas orlas das praias têm cerca de 10% de sua origem in loco, ou seja, nas próprias praias e o restante (90%), são provenientes de outras áreas urbanas.  “Constatamos que os resíduos no mar são predominantemente itens de consumo domiciliar. E os fragmentos de plástico e isopor deteriorados, por exemplo, indicam origem distante da praia”, destaca o diretor presidente da Abrelpe, Carlos Silva Filho. Segundo a pesquisa, em 2020 houve uma queda drástica da presença no mar de itens como bitucas de cigarro, canudos e copos descartáveis. Em contrapartida, itens como tampinhas e...
Leia mais

Desmatamento na Amazônia tem queda de 70% em janeiro, diz governo

O mês de janeiro apresentou a menor área de alertas de desmatamento na Amazônia Legal dos últimos quatro anos, com uma redução de 70% em relação a janeiro de 2020. A informação foi divulgada hoje (12), em Brasília, pelo Ministério da Defesa, com dados do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Segundo a pasta, nos últimos seis meses, os avisos de desmatamento tiveram redução de 21%. “Entre agosto de 2020 e janeiro de 2021 foram 988 km² [quilômetros quadrados] de redução em alertas, de acordo com dados do Inpe. A título comparativo, trata-se de uma área superior à área urbana da cidade de São Paulo - maior centro urbano do país com aproximadamente 950 km²”, informou o Ministério da Defesa. A pasta acrescentou que esses dados demonstram “o bom desempenho” do trabalho integrado coordenado pelo Conselho Nacional da Amazônia Legal na região, principalmente por meio da Operação Verde Brasil 2.  Do início da operação, em maio de 2020, até janeiro deste ano,...
Leia mais

Brasil propõe corte no orçamento de 2021 para proteção ambiental à medida que o desmatamento aumenta

O governo do Brasil, sob o presidente Jair Bolsonaro, está propondo o menor orçamento para proteção ambiental em pelo menos 13 anos, apesar da destruição crescente da floresta amazônica do país, de acordo com dados da organização sem fins lucrativos Contas Abertas. O desmatamento na porção brasileira da maior floresta tropical do mundo atingiu um pico de 12 anos em 2020, de acordo com dados do governo. Desde que assumiu o cargo em 2019, Bolsonaro drenou fundos de agências ambientais e nomeou funcionários que promovem táticas mais suaves contra a extração ilegal de madeira e outros crimes. A eleição do presidente dos EUA, Joe Biden, pode aumentar a pressão sobre o Brasil por causa de seu histórico ambiental. Biden disse durante sua campanha que o mundo deveria oferecer dinheiro ao Brasil para preservar a Amazônia e ameaçou consequências econômicas não especificadas se não o fizesse. “Há muita pressão sobre o Brasil por causa do tratamento que dá ao meio ambiente”,...
Leia mais

Geleira boliviana Tuni está desaparecendo, dizem cientistas

A geleira Tuni, na Bolívia, está desaparecendo mais rápido do que o inicialmente previsto, de acordo com cientistas da nação andina, uma situação que provavelmente agravará a escassez de água que já atinge a capital La Paz, a apenas 60 quilômetros (km) de distância. Cientistas da Universidad Mayor de San Andrés (UMSA), que monitoram Tuni e outras geleiras regionais, disseram à Reuters que a geleira, antes extensa, foi reduzida a apenas 1 km².  Se antes previam que duraria até 2025, agora dizem que seu desaparecimento é iminente. “Todo esse setor já foi coberto de gelo”, disse o glaciologista Edson Ramírez. Em grande parte do antigo caminho da geleira, agora há apenas restos de rocha, expostos pela primeira vez em séculos. Embora a geleira esteja recuando desde a Pequena Era Glacial, quando enormes campos de gelo cobriam muitas montanhas andinas, a rápida mudança do clima acelerou o processo, de acordo com cientistas bolivianos. Chuvas torrenciais e secas se tornaram mais comuns e a neve nas montanhas menos estável,...
Leia mais

Ser humano já consome plástico até na cerveja

Não há como escapar. Está no ar, no açúcar, no sal, na água de torneira, na cerveja gelada. A presença de micropartículas de plásticos já faz parte do cotidiano de qualquer cidadão do mundo. Estima-se que, ao longo de um ano, cada pessoa tenha ingerido algo entre 74 e 121 mil partículas desse material. Em agosto do ano passado, a Organização Mundial da Saúde (OMS) divulgou o relatório Microplastics in drinking-water (Microplásticos na água potável), no qual analisa mais de 50 estudos sobre a presença de partículas e fibras plásticas em águas naturais, potáveis e de esgoto. O objetivo do relatório era avaliar os riscos à saúde. Por enquanto, não há consenso sobre como esse material tem afetado a vida humana. Partículas acima de 150 micrômetros são facilmente excretadas pelo organismo e, assim, não representariam grande risco à saúde. O que se sabe é que temos ingerido essas micropartículas por meio de ingestão e inalação. E comer plástico não parece...
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e