Meio Ambiente

“Catástrofe ecológica”: Incêndio na Autrália tem perda de 1 bilhão de animais ou mais

Os incêndios florestais das últimas semanas na Austrália são uma "catástrofe ecológica" que demorará décadas para ser superada e que exige apoio financeiro significativo e mudanças de políticas ambientais, advertem especialistas. Segundo Stuart Blanch, cientista ambiental e um dos responsáveis pelo setor de reflorestamento da World Wide Fund - Austràlia (WWF-A), essas mudanças exigem, necessariamente, medidas concretas para evitar que "continue a aumentar a temperatura do forno" que  "cozinha" o planeta Terra. "Estamos diante de uma catástrofe ecológica, a estimativa é de perda de 1 bilhão de animais, mas sabemos que esse número vai aumentar quando informações mais precisaa forem compiladas", disse. Nas últimas semanas, o fogo queimou uma área maior que Portugal - a época dos incêndios ainda não terminou -, com sérios danos a ecossistemas, especialmente na costa leste do país, deixando várias espécies ameaçadas. . O número de 1 bilhão de animais mortos baseia-se em estudo feito em 2007 por um grupo de cientistas especializados em répteis, mamíferos e...
Leia mais

Alerta: Península Antártica pode sofrer invasão de espécies

A Península Antártica ficará sujeita nos próximos anos ao aparecimento de espécies invasoras, e algumas delas podem ter efeitos devastadores nos frágeis ecossistemas marinhos e terrestres polares, alerta estudo divulgado nesta segunda-feira (13) em Londres. A pesquisa, publicada na revista científica Global Change Biology, identifica espécies não nativas com maior probabilidade de invadir a Península Antártica nos próximos dez anos, fornecendo dados para que sejam tomadas medidas de redução do fenômeno. O principal autor do estudo, Kevin Hughes, investigador ambiental do British Antarctic Survey (com base em Cambridge, trata dos interesses do Reino Unido na Antártida), trabalhou com uma equipe internacional de investigação para identificar espécies não nativas com maior probabilidade de ameaçar a biodiversidade e os ecossistemas da região da Península Antártica, a partir da análise de centenas de trabalhos acadêmicos, relatórios e bases de dados. Das 103 espécies consideradas em detalhe, 13 foram classificadas como maiores ameaças. Turismo ameaça região "A região da Península Antártica é de longe a parte mais...
Leia mais

Um terça da ilha Kangaroo é destruída por incêndio na Austrália

Cerca de um terço da Ilha Kangaroo, na Austrália, foi devastada pelos incêndios que consomem grande parte do território do país. A agência espacial norte-americana Nasa divulgou imagens que mostram as consequências dos incêndios na ilha, que servia de abrigo a várias espécies selvagens. A Nasa estima que cerca de 155 mil hectares da ilha tenham sido consumidos pelas chamas. A Ilha Kangaroo, situada na costa sul da Austrália, é famosa por sua natureza exuberante e pelas reservas naturais protegidas, que servem de abrigo a vários animais selvagens como leões-marinhos, coalas e várias espécies de aves. As imagens divulgadas pela NASA mostram que a região mais afetada da ilha foi o oeste, onde se encontra o Parque Nacional de Flinders Chase, que abriga uma das espécies mais famosas da Austrália, o ornitorrinco. Os incêndios chegaram à ilha no final do mês passado e já causaram a morte de duas pessoas, destruíram 56 casas e danificaram centenas de edifícios, informou o governo da Austrália do...
Leia mais

Manchas de óleo voltam a aparecer no litoral do Ceará

Manchas de óleo voltaram a aparecer em praia do litoral do Ceará entre a noite de no domingo (29) e a manhã de segunda-feira (30). A informação foi confirmada pelo Grupo de Acompanhamento e Avaliação (GAA), que acompanha o vazamento de óleo nas praias do Nordeste e Sudeste desde o fim de agosto. De acordo com o GAA, foram encontrados resíduos de óleo na praia de Caetanos de Cima, no município de Amontada, e na praia de Apiques, localizada em Itapipoca, ambas no litoral Oeste do Ceará. Desde outubro a ocorrência de manchas não era registrada no litoral cearense. De acordo com o GAA, formado pela Marinha, Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e Agência Nacional de Petróleo (ANP), amostras do material estão sendo enviadas para análise no Instituto de Estudos do Mar Almirante Paulo Moreira (IEAPM) a fim de identificar o tipo de óleo. "Participam do recolhimento dos vestígios de óleo militares da MB...
Leia mais

Inpe: desmatamento da Amazônia em novembro sobe mais de 100% na comparação anual

O desmatamento da Amazônia brasileira saltou para o maior nível para o mês de novembro desde o início dos registros em 2015, de acordo com dados preliminares divulgados nessa sexta-feira (13) pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe).Imagem de quimada em região da Amazônia. 20/8/2019. REUTERS/Bruno Kelly A destruição da maior floresta tropical do mundo totalizou 563 quilômetros quadrados em novembro, 103% a mais do que no mesmo mês do ano passado, de acordo com o Inpe. O dado coloca o desmatamento total para o período de janeiro a novembro em 8.934 quilômetros quadrados, 83% maior do que no mesmo período de 2018 e uma área quase do tamanho de Porto Rico. Os dados foram coletados por meio do sistema Deter, que publica alertas de desmatamento na floresta. Os números do Deter não são considerados dados oficiais de desmatamento. As informações oficiais são do sistema Prodes, também gerenciado pelo Inpe. Os dados do Prodes entre agosto de 2018 e julho deste ano, divulgados...
Leia mais

Cataratas Vitória, uma das maiores quedas d’água do mundo, estão quase secas

As Cataratas Vitória são consideradas uma das maiores maravilhas naturais do mundo. A cortina de água, localizada na fronteira entre a Zâmbia e o Zimbábue, tem 1.708 metros de largura e altura que varia entre 90 e 107 metros. Os nativos da região a batizaram como "Mosi-oa-Tunya" ("a fumaça que troveja"). Cerca de 935 metros cúbicos de água caem na cascata por segundo - ou melhor, caíam, porque as Cataratas Vitória sofrem uma das piores secas nas últimas décadas. Como consequência, a poderosa queda d'água tornou-se em alguns pontos um simples gotejamento. Embora seja normal que o fluxo diminua significativamente durante a estação seca, o declínio registrado este ano é considerado "sem precedentes" pelas autoridades locais. "Nos anos anteriores, quando a seca chegava, não acontecia isso. É a primeira vez que a vemos assim", disse à Reuters Dominic Nyambe, artesão que trabalha em Livingstone, uma cidade próxima às cataratas, localizada ao lado da fronteira, na Zâmbia. "Isso nos afeta, porque os clientes podem ver...
Leia mais

Estoque de oxigênio nos oceanos caiu 2% e seguirá tendência

O estoque mundial de oxigênio dos oceanos se reduziram 2% entre 1960 e 2010, e a previsão para o ano de 2010, a quantidade pode cair entre 3% e 4% adicionais, devido o aquecimento global, o que representaria efeitos dramáticos sobre os habitats e economias costeiras. As informações constam no relatório da União Internacional para a Conservação da Natureza (IUCN, pela sigla em inglês), que foi apresentado neste sábado na Cúpula do Clima (COP25), que está sendo realizada em Madri, na Espanha. Segundo o estudo, a perda de oxigênio oceânico está estreitamente relacionada com o aquecimento global e a acidificação dos oceanos, que são causados pelo aumento do dióxido de carbono (CO2), por sua vez, consequência das emissões de gases do efeito estufa e da chamada fertilização oceânica. A maior parte do excesso do calor retido pela Terra é absorvida pelos oceanos, o que inibe a difusão do oxigênio da superfície até a profundez, e o aumento de nutrientes que chegam...
Leia mais

Por que é lei, funciona? Vereador Thiago K. Ribeiro fala sobre a Lei de sua autoria

Diante das polêmicas e discussões sobre a poluição provocada pelo uso do plástico, nossos legisladores no país inteiro se voltam a elaborar projetos que atendam as demandas atuais referentes a esta questão. Exemplo disso, podemos destacar a Lei que proíbe o uso dos canudinhos de plásticos na cidade do Rio de Janeiro, ainda no ano de 2018, se tornando a primeira cidade do Brasil a tomar tal medida. Em janeiro de 2019 uma nova Lei (nº 6.458) foi promulgada trazendo ampliações em relações à lei anterior. Para debatermos esta questão, do ponto de vista legal e político, O Estado RJ convidou o vereador Thiago K. Ribeiro, que é um dos autores da Lei que passou a valer este ano no Município do Rio de Janeiro. Acompanhe abaixo a entrevista exclusiva com o vereador. O Estado RJ – Vereador, muitos cidadãos comuns se perguntam o seguinte: O que a população ganha com esta Lei? Vereador Thiago K. Ribeiro – Toda a população...
Leia mais

Andes: incêndios na Amazônia intensificam derretimento de gelo

A fumaça originada na queima de florestas da Amazônia pode intensificar o derretimento dos glaciares na América do Sul, o que alimenta preocupações de eventual crise de falta d'água na região. Isto porque o derretimento das geleiras tropicais fornece água para milhões de pessoas. O alerta vem de uma equipe de pesquisadores que recriou, em modelos, o movimento e o efeito das partículas de fumaça nas geleiras andinas e compararam suas conclusões com imagens de satélite. Eles dizem que o impacto da fumaça e do derretimento será sentido em todo o continente. "O desmatamento e os incêndios na Amazônia, que ocorrem principalmente na Bolívia, Peru e Brasil, não podem ser considerados uma questão local", alerta Newton de Magalhães Neto, doutor em geociências pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e pesquisador no Laboratório de Geoprocessamento do Instituto de Geografia Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ). "Eles têm implicações sociais em escala continental, porque acelerar a perda de geleiras aumenta o risco de uma...
Leia mais

Efeito estufa: concentrações globais de CO2 atingem novo recorde

Os níveis de gases de efeito estufa na atmosfera atingiram um novo recorde de 407,8 partes por milhão em 2018. No ano anterior, a Organização Meteorológica Mundial (OMM), registrou uma concentração de dióxido de carbono de 405,5 partes por milhão. Em nota emitida nessa segunda-feira (25), a agência da ONU destaca que essa tendência prossegue a longo prazo, indicando que as presentes e futuras gerações deverão enfrentar impactos cada vez mais severos da mudança climática. Fenômenos climáticos extremos As consequências da situação incluem o aumento constante das temperaturas, a ocorrência de fenômenos climáticos extremos, um maior estresse hídrico, a subida do nível do mar e a alteração dos ecossistemas marinhos e terrestres. O último Boletim da OMM sobre os Gases de Efeito Estufa destaca que, entre 2017 e 2018, a concentração de CO2 foi muito similar a que foi observada no período anterior. Esse nível esteve ligeiramente acima da média na última década. A publicação assinala ainda que os níveis globais do gás...
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e