Meio Ambiente

Os alimentos que podem desaparecer com as mudanças climáticas

É possível que tenhamos que dizer adeus a algumas das nossas comidas e bebidas preferidas por culpa das mudanças climáticas. Com as transformações nos padrões de temperatura da Terra e a ocorrência cada vez mais frequente de eventos climáticos extremos (ondas de muito frio, calor, tufões e furacões), plantações podem ter dificuldade para vingar e peixes e animais poderão morrer. Mais quais alimentos comuns no nosso dia a dia correm mais risco? Café e chá Aproveite bem o seu café preto de toda a manhã, porque o prognóstico para esse produto não é dos melhores. Por causa do aquecimento global, a tendência é que, até 2050, a área com solo propenso à plantação de café seja reduzida pela metade. No ritmo atual de poluição, até 2080, vários tipos de café deverão ser extintos. A Tanzânia, um dos principais exportadores de café, já viu sua produção cair pela metade em 50 anos. Se você acha que pode escapar dessa crise trocando café por chá, cientistas da...
Leia mais

É preciso 1,2 trilhão de novas árvores para conter o aquecimento no planeta

Além de preservar as florestas que já existem, a melhor solução para reduzir drasticamente o excesso de dióxido de carbono na atmosfera e conter o aquecimento global é plantar árvores. Em todos os espaços possíveis do planeta que não são ocupados nem por zonas urbanas, nem destinados a agropecuária. Isso significaria plantar 1,2 trilhão de novas mudas, um número quatro vezes maior do que a totalidade de árvores que vivem na floresta amazônica. Calcula-se que existam no planeta hoje cerca de 3 trilhões de árvores. O plantio massivo de árvores em locais subutilizados é o principal ponto defendido por estudo que sai na edição desta sexta-feira (5) da revista Science. "Seguramente podemos afirmar que o reflorestamento é a solução mais poderosa se quisermos alcançar o limite de 1,5 grau [de aquecimento global]", afirma o cientista britânico e ecólogo Thomas Crowther, professor do departamento de Ciências do Meio Ambiente do Instituto Federal de Tecnologia de Zurique, na Suíça, e um dos...
Leia mais

Separação do lixo vira a “nova obsessão” das autoridades de Xangai

As autoridades de Xangai têm há semanas uma clara obsessão: que seus 26 milhões de habitantes separem o lixo de suas casas, submetidos a partir deste mês de julho a uma regulamentação rigorosa, pioneira na China, que busca ser um exemplo para o resto do país. Não há mais lixo misturado ou ruas cheias de recipientes transbordando e fedorentos. A reciclagem doméstica começa a prevalecer em uma das nações mais poluidoras do mundo, com políticas rígidas como essa lei que as autoridades vêm promovendo há semanas entre a população. ...
Leia mais

Economia verde: parceria começa a sair do papel em Mato Grosso

Marcado por conflitos ambientais e desigualdades internas, o estado de Mato Grosso está disposto a mudar a imagem e a promover o desenvolvimento sustentável. Há três anos, o estado tornou-se o primeiro ente subnacional do planeta a fechar uma parceria com a Organização das Nações Unidas (ONU) para a promoção da economia verde, com ações que começam a sair do papel depois de anos de planejamento. Mesmo com a mudança de governo local, Mato Grosso montou o primeiro escritório oficial voltado para a economia verde no fim do ano passado. Chamado de Parceria para a Ação sobre Economia Verde (Page, na sigla em inglês), o programa pretende executar políticas definidas em 2017. O exemplo do estado foi apresentado na 1ª Conferência Ministerial Regional das Américas sobre Economia Verde, em Fortaleza. “Mudamos de governo no fim do ano passado, e eles foram ágeis em perceber que não há outro caminho a não ser trabalhar pelo desenvolvimento sustentável”, disse a coordenadora de...
Leia mais

Lixões liberam 6 milhões de toneladas de gás de efeito estufa ao ano

A permanência de lixões para descarte de lixo no Brasil e a queima irregular de resíduos respondem por cerca de 6 milhões de toneladas de gás de efeito estufa ao ano (CO2eq), aponta levantamento do Departamento de Economia do Sindicato Nacional das Empresas de Limpeza Urbana (Selurb). O montante é o equivale ao gás gerado por 3 milhões de carros movidos a gasolina anualmente. O estudo foi divulgado por ocasião do Dia Mundial do Meio Ambiente, celebrado nesta quarta-feira (5), que tem como temática em 2019 – definida pela Organização das Nações Unidas (ONU) – a questão da “Poluição do Ar”. “Os resultados expressivos revelam um descaso em relação a uma questão que, muitas vezes, é invisível, que é a destinação inadequada de resíduos, mas que apesar de ser aparentemente invisível, impacta de uma maneira profunda na sociedade, principalmente em termos ambientais”, disse o economista do Selurb, Jonas Okawara, responsável pelo estudo. Os dados estão baseados em um cruzamento...
Leia mais

Têm minério em terrenos cobertos por lama na tragédia de Brumadinho

Propriedades que foram cobertas por lama após a tragédia de Brumadinho (MG) estão em uma área com potencial minerário. O tema já é debatido na comissão parlamentar de inquérito (CPI) criada pela Câmara dos Deputados para investigar o rompimento da barragem da Vale ocorrido em 25 de janeiro desse ano. A existência de uma jazida na região com aproximadamente 430 mil toneladas de minério de ferro pode impactar no valor das indenizações dos moradores que tiveram seus terrenos afetados. O potencial minerário na região vem sendo estudado pela Vale há cerca de 13 anos. As pesquisas ocorrem dentro do Processo 832.055/2006 aberto no Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM), órgão extinto em 2017 e substituído pela Agência Nacional de Mineração (ANM). No início do mês passado, a Vale solicitou o sigilo das informações desse processo. "Os dados processuais não são acessíveis ao público externo, uma vez que possuem caráter sigiloso, tendo em vista seu conteúdo de dados econômicos/estratégicos de reservas...
Leia mais

Movimento quer usar turismo para preservar Mata Atlântica

A Mata Atlântica, cujo dia nacional é comemorado no dia 27 de maio, tem apenas 7% de sua cobertura original preservada, reduzido a pequenos fragmentos espelhados pelo país. O maior deles abrange uma área contínua que vai do norte de Santa Catarina, pega todo o litoral do Paraná e vai até o sul de São Paulo. Para ajudar na preservação e valorizar esse único e grande fragmento contínuo da floresta surgiu o movimento Grande Reserva da Mata Atlântica, que não tem nenhuma instituição líder, mas agrega entidades públicas e privadas. A preocupação com a Mata Atlântica é justificável, pois embora a área de desmatamento tenha caído 9,3% entre outubro de 2017 e igual mês do ano passado, de acordo com o Atlas da Mata Atlântica, elaborado pela Fundação SOS Mata Atlântica e pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE), o bioma ainda sofre com o desmatamento.  A coordenadora de Áreas Protegidas da Fundação Grupo Boticário de Proteção à Natureza, Marion Silva, uma...
Leia mais

ANMT: talude do complexo do Gongo Soco pode se romper até dia 25

A Agência Nacional de Mineração (ANM) informou nesta segunda-feira (20), que o rompimento do talude do complexo da Mina de Gongo Soco, da Vale, no município de Barão de Cocais (MG), deve acontecer até o próximo sábado (25). A barragem é do mesmo tipo da que se rompeu em Brumadinho, em 25 de janeiro. Segundo a agência, que interditou o complexo na última sexta-feira (17), o talude norte da cava de Gongo Soco estava se deslocando 10 centímetros (cm) por ano desde 2012, um deslocamento aceitável dada a dimensão da estrutura. "Mas, desde o fim de abril, a velocidade do deslocamento aumentou para 5 cm por dia e, se esta aceleração continuar, o rompimento do talude pode acontecer entre os dias 19 e 25 de maio", alertou a assessoria da ANM em nota publicada nesta segunda-feira (20). De acordo com a assessoria da ANM, dados da agência já indicam que, desde ontem (19), a velocidade de deslocamento do talude já havia...
Leia mais

Barragem em Barão de Cocais pode se romper a partir de domingo

O Ministério Público do Estado de Minas Gerais (MPMG) fez uma recomendação à mineradora Vale para que a empresa adote “imediatamente” uma série de medidas para deixar claro à população de Barão de Cocais (MG) sobre os riscos de rompimento da barragem de mineração Sul Superior, da Mina de Gongo Soco. De acordo com a Vale, o rompimento poderá ocorrer entre 19 e 25 de maio. A informação sobre o risco de rompimento foi obtida pelo MPMG junto à própria minerador que descreveu em documento “uma deformação no talude norte da Cava de Gongo Soco, na Mina de Gongo Soco, em Barão de Cocais, passível de provocar a sua ruptura, gerando vibração capaz de ocasionar a liquefação da Barragem Sul Superior, levando ao rompimento da estrutura e, por conseguinte, danos sociais e humanos imensuráveis para a região”. Segundo nota do MPMG, divulgada na quinta-feira (16), a Vale deve comunicar "por meio de carros de som, jornais e rádios, informações claras,...
Leia mais

Ricardo Salles requenta cadeira com pouco conhecimento

O Estado e o Meio Ambiente, de inteira responsabilidade do Governo do Presidente do Brasil, Jair Messias Bolsonaro (PSL), em parceria com os Governos Municipal e Estadual, têm sido motivo de controvérsia entre a sociedade civil em geral e de defensores da nova gestão governamental, principalmente após as mudanças do Ministério do Meio Ambiente, depois da última nomeação da equipe ministerial, Ricardo Salles. "Esse governo é realmente um desgoverno em matéria de ecologia, comenta Dayse Chioquetta, ex-delegada do Orçamento Participativo em Porto Alegre, representante de Ecologia e Meio Ambiente. Ela enfatiza que "é lamentável realmente, em se tratando de ecologia, que esse governo não esteja fazendo nada e ainda está tirando toda a fiscalização", quanto ao Serviço Florestal Brasileiro, responsável pelo Cadastramento Ambiental Rural (CAR), instrumento esse que auxilia no processo de regulamentação ambiental de propriedades e posses rurais que foi transferido para o Ministério da Agricultura. Ricardo Salles, escolhido em dezembro de 2018, foi secretário na Secretaria de Meio...
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e