Inovações

Nasa lança com sucesso sonda Parker com o objetivo de “tocar” o Sol

A sonda solar Parker, a primeira astronave que transitará pela coroa do Sol, foi lançada neste domingo (12) pela Nasa com sucesso, 24 horas depois do adiamento da decolagem a partir da base de Cabo Canaveral (Flórida). A missão, que pretende ajudar a esclarecer os mistérios do astro rei e prevista para chegar no mês de novembro, começou com a sua quarta tentativa de lançamento. O foguete Delta IV Heavy da companhia United Launch Alliance decolou às 3h31 (horário local, 4h31 em Brasília) de Cabo Canaveral, com a sonda a bordo. Poucos minutos depois do lançamento o foguete se desprendeu de seus três propulsores, como estava programado. Com alguns prognósticos meteorológicos favoráveis de 95% e após ter resolvido os problemas que tinham feito mudar as datas de lançamento duas vezes, a Nasa reprogramou ontem para este domingo o início desta missão, que considera "histórica". A sonda pretende coletar informação mais perto do Sol, o que nenhuma outra astronave fez até agora, a Úm de resolver questões como a diferença da temperatura da atmosfera do...
Leia mais

Nave espacial deve marcar a história da ciência ao ‘tocar o Sol’

Se tudo der certo,  neste sábado (11), será um dia histórico para a aventura do conhecimento humano. Isso porque a Nasa, a agência espacial americana, deve lançar uma nova missão, com um objetivo nunca antes alcançado pela humanidade: a nave Parker Solar Probe (PSP) será o primeiro objeto construído por um humano a "tocar" o Sol. O "tocar", aqui e nos cuidadosos comunicados da Nasa, vai sempre entre aspas porque a engenhoca vai, tecnicamente, apenas se aproximar muito da corona solar. Trata-se da parte mais externa da atmosfera do Sol, que começa a 2,1 mil quilômetros da superfície da estrela do Sistema Solar - e não tem um limite preciso. A corona é aquela aura, composta de plasma e com temperatura que chega a 2 milhões de graus Celsius, que a gente consegue ver quando há um eclipse. "Estará mais perto do Sol do que qualquer outra missão anterior", diz o astrofísico Adam Szabo, um dos cientistas que integram a missão. De...
Leia mais

Terra pode cair em estado estufa irreversível, alertam cientistas

A Terra corre o risco de cair em um estado estufa irreversível devido ao aquecimento global, o que tornaria inabitáveis vários lugares, alertou estudo internacional. Pesquisa liderada por Will Steffen, da Universidade Nacional da Austrália (ANU, a sigla em inglês), adverte que a situação pode resultar em temperaturas a meio-cinco graus acima da era pré-industrial e que o aumento do nível do mar suba a longo prazo entre 10 e 60 metros. Atualmente, a temperatura média global é pouco mais de um grau superior ao da era pré-industrial e aumenta 0,17 graus a cada década. Steffen observou que se as temperaturas aumentassem dois graus devido às atividades humanas, os processos seriam ativados no sistema da Terra, chamados de retroalimentação, o que poderia desencadear maior aquecimento, mesmo se os gases de efeito estufa não fossem mais emitidos. Esses elementos de retroalimentação incluem descongelamento do pergelissolo (solo permanentemente congelado), a perda de metano hidratado das águas marinhas, o enfraquecimento de carbono em terra e no mar e o aumento da respiração bacteriana nos oceanos. Também incluem a...
Leia mais

Cientistas criam a luz líquida e a consideram o 5º estado da matéria

No conto "A luz é como a água", Gabriel García Márquez narra as aventuras de Totó e Joel, duas crianças que, durante as noites, quebram as lâmpadas de sua casa e navegam entre as correntes de luz que surgem delas. "Uma corrente de luz dourada e fria como a água começou a sair da lâmpada quebrada, e eles a deixaram correr até o nível atingir quatro palmos. Então, eles cortaram a corrente, pegaram o barco e navegaram à vontade entre as ilhas da casa", escreve o Nobel de Literatura. A cena, por mais fantástica que pareça, não está tão longe da realidade quanto parece. Cientistas que estudam fenômenos quânticos demonstraram que a luz, sob condições especiais, pode se comportar como um líquido que flui e ondula em torno dos obstáculos que encontra, como a corrente de um rio entre as pedras. Como eles fazem isso? A "luz líquida" é uma substância muito peculiar. Não é sólida nem plasma e tampouco se comporta exatamente como um...
Leia mais

Existem escondidos sob nossos pés uma gigantesca reserva de diamantes

Atualmente, diamantes são símbolo de riqueza e elegância, mas no futuro podem ser simplesmente uma pedra comum que qualquer um pode ter. Esse não é um cenário totalmente impossível, se considerarmos um recente estudo do Instituto de Tecnologia de Massachusetts (MIT). A pesquisa diz que a 160 km debaixo da superfície da Terra se acumulam 10 quatrilhões de toneladas de diamantes - ou seja, uma unidade seguida de 16 zeros (10.000.000.000.000.000). "Isso nos mostra que os diamantes talvez não sejam um mineral exótico. Numa escala geológica, ele é relativamente comum", disse Ulrich Faul, um dos autores do estudo, num comunicado do MIT. Onde estão? Segundo os investigadores, esse tesouro subterrâneo está disperso entre formações rochosas gigantes chamadas de "cratão". Esses cratões são uma espécie de montanha invertida no interior da maioria das placas tectônicas continentais. Eles podem se estender por mais de 300 km. "Em cada cratão, estima-se que haja 1 quatrilhão de toneladas de diamantes", disse. "Na Terra, há 10 áreas geológicas reconhecidas como...
Leia mais

Marte: planeta vermelho tem água liquida

Cientistas da Agência Espacial Italiana anunciaram na quarta-feira (25) que existe água líquida em Marte, de forma constante. Para especialistas, essa descoberta, de um reservatório subterrâneo permanente de água líquida, aumenta consideravelmente as chances de haver vida no planeta. "Foram anos de debate e investigações, ficamos anos discutindo se isso era mesmo possível. Mas agora podemos dizer: descobrimos água em Marte", disse o astrônomo Roberto Orosei, pesquisador da Universidade de Bolonha e principal autor da descoberta. A água líquida e perene foi encontrada 1,5 km abaixo de uma camada de gelo, próxima ao Polo Sul de Marte. "Trata-se de um lago com 20 quilômetros de diâmetro", contou Orosei. A descoberta será publicada na revista Science desta semana. "Sem água, nenhuma forma de vida como a conhecemos poderia existir. Por isso é grande o interesse na detecção de água líquida em outros planetas", contextualiza a pesquisadora Anja Diez, do Instituto Polar Norueguês. "Acidentes geográficos como vales mostram que água líquida deve ter sido presente...
Leia mais

5G: a geração de internet móvel que pode mudar as nossas vidas

A quinta geração de internet móvel, 5G, pode ser lançada no ano que vem em alguns países. E promete velocidade de download 10 a 20 vezes mais rápida do que temos hoje. Mas que diferença a nova tecnologia vai fazer, de fato, em nossas vidas? Vamos precisar comprar um telefone novo? Vai resolver o problema da falta de sinal para quem vive em áreas remotas? O que é exatamente o 5G? É a próxima geração de rede de internet móvel, que promete velocidade de download e upload de dados mais rápida, cobertura mais ampla e conexões mais estáveis. Trata-se de utilizar melhor o espectro de rádio e permitir que mais dispositivos acessem a internet móvel ao mesmo tempo. O que vai nos permitir fazer? "O que quer que façamos agora com nossos smartphones, poderemos fazer mais rápido e melhor", diz Ian Fogg, da OpenSignal, empresa de análise de dados móveis. "Pense em óculos para realidade aumentada, realidade virtual móvel, vídeos com qualidade muito superior, a internet das coisas tornando...
Leia mais

Amazônia tinha agricultura há 4,5 mil anos

Agricultura de vários vegetais diferentes. Fogo. Desmatamento controlado. Uso de fertilizantes. Em pesquisa conduzida pela Universidade de Exeter, do Reino Unido, arqueólogos, ecologistas, botânicos e paleoecologistas descobriram que a Floresta Amazônica, ao contrário do que se supunha, não era um santuário verde intocado pelas mãos humanas há 4,5 mil anos. Desde essa época, no mínimo, houve interferência do homem na natureza da região. E, conforme o estudo mostra, efeitos dessa interação estão presentes ainda hoje. "Os agricultores ancestrais da Amazônia souberam como enriquecer o solo com nutrientes, criando a chamada Amazon Dark Earth (ADE)", comenta a paleoecologista e arqueóloga Yoshi Maezumi, da Universidade de Exeter. "Em vez de expandir a terra desmatada, para aumentar a agricultura, eles melhoraram o solo, em uma forma mais sustentável de produção." Sim, havia sustentabilidade na mentalidade dos primeiros agricultores da Amazônia. Essa ADE é conhecida popularmente como terra-preta ou terra-preta-de-índio. Trata-se de um tipo de solo muito escuro, como o nome indica, e extremamente fértil. É encontrado principalmente...
Leia mais

Lua foi habitável há 4 bilhões de anos

Um grupo de pesquisadores determinou que as condições na superfície da Lua foram suÚcientes para suportar formas de vida simples há 4 bilhões de anos, segundo um estudo publicado nessa segunda-feira (23) pela revista especializada Astrobiology. Além disso, os cientistas concluíram que houve outro período de habitabilidade há 3,5 bilhões de anos durante um pico na atividade vulcânica da Lua. Durante as duas épocas, o autor principal, Dirk Schulze-Makuch, astrobiólogo da Universidade Estadual de Washington, comprovou que a Lua liberou grandes quantidades de gases voláteis superaquecidos, incluindo vapor de água, desde o seu interior. Esta desgaseificação, de acordo com os pesquisadores, poderia ter formado poças de água líquida na superfície lunar e uma atmosfera densa o suficiente para mantê-la lá durante milhões de anos. "Se água líquida e uma atmosfera significativa estiveram presentes na Lua durante longos períodos de tempo, acreditamos que a superfície lunar teria sido pelo menos transitoriamente habitável", explicou o cientista. O trabalho de Schulze-Makuch e Ian Crawford, da Universidade de Londres, se baseia nos resultados de missões espaciais recentes e na análise...
Leia mais

Jovens pais brasileiros deixariam robôs cuidar da saúde dos filhos

O uso da inteligência artificial no cotidiano, até com o cuidado da saúde dos filhos, é bem vista pela maioria dos pais nascidos nas décadas de 1980 e 1990, chamada geração millenial. Uma pesquisa feita pelo Institute of Electrical and Electronic Engineers (IEEE) mostrou que 31% dos pais e mães brasileiros confiariam totalmente no uso desse tipo de tecnologia para decisões médicas importantes relacionadas aos filhos, enquanto 51% disseram ter confiança moderada. O estudo fez 2 mil entrevistas em cinco países (Estados Unidos, Reino Unido, Índia, China e Brasil). Foram ouvidos pais e mães entre 20 e 36 anos de idade com filhos de até oito anos. O IEEE é uma associação dedicada ao progresso da ciência, fundada em 1884 e que agrega profissionais e pesquisadores de diversas áreas. A maior parte dos brasileiros (60%) disse que deixariam os filhos serem submetidos a cirurgias por robôs operados com inteligência artificial. O índice é maior do que o dos Estados Unidos e do Reino Unido, onde 45%...
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e