Inovações

Pesquisa mostra que parasita que causa malária em macacos pode infectar humanos

Um estudo liderado por pesquisadores da Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz) aponta que um parasita que causava malária apenas em macacos está relacionado a casos humanos ocorridos na região de Mata Atlântica do Rio de Janeiro. Publicado na revista científica The Lancet Global Health, o trabalho demonstra que o estado do Rio de Janeiro é o segundo foco encontrado no mundo com transmissão desse tipo de malária. O primeiro local em que o protozoário foi encontrado em humanos foi na Malásia, na Ásia. Conhecido como Plasmodium simium, o parasita foi responsável pela infecção de 28 pessoas na região de Mata Atlântica fluminense em 2015 e 2016. Enquanto de 2006 a 2014, o Rio registrava média de quatro casos autóctones (locais) de malária por ano, em 2015 e 2016, esse índice subiu para 33 e 16, respectivamente. Com a descoberta, o protozoário torna-se causador do sexto tipo de malária humana. No Brasil, a doença era conhecidamente causada por três espécies do gênero Plasmodium: P. vivax, P....
Leia mais

Pesquisadores espanhóis desenvolvem sistema para destruir tumores

Pesquisadores da Universidade de Saragoça e de Pompeu Fabra (Barcelona) desenvolveram e patentearam um gerador de impulsos de alta tensão para destruir tumores. Em nota, a Universidade de Saragoça informou que com o sistema poderão ser destruídos tumores sólidos de modo mais rápido, menos tóxico e invasivo do que por meio da quimioterapia ou da radioterapia. As células do tumor morrem por não serem capazes de reparar os danos que os elevados campos elétricos provocam na sua parede celular. A eletroporação irreversível tem benefícios para o doente e pode ser aplicada em conjunto com outras terapias para alcançar maior eficácia e melhorar o tempo de recuperação. A nova tecnologia de aplicação biomédica foi divulgada no último número da revista científica IEEE Journal of Emerging and Selected Topics in Power Electronics. Da Agência Lusa ...
Leia mais

Quinze mudanças que nos fizeram humanos

Os humanos são provavelmente a espécie mais rara que já existiu. Temos cérebros muito maiores que os de outros animais e que nos permitem construir utensílios, entender conceitos abstratos e usar a linguagem. Mas também temos poucos pelos, mandíbulas fracas e demoramos para dar à luz. Como a evolução explica essa criatura extravagante? 1. Viver em grupo Os primeiros primatas, grupo que inclui macacos e humanos, surgiram pouco depois do desaparecimento dos dinossauros. Muitos começaram rapidamente a viver em grupos para melhor se defenderem de predadores, e isso exigiu de cada animal "negociar" uma rede de amizades, hierarquias e inimizades. Sendo assim, viver em grupo pode ter impulsionado um aumento da capacidade intelectual. 2. Mais sangue no cérebro Humanos, chimpanzés e gorilas descendem todos de uma espécie desconhecida e extinta de hominídeo. Neste ancestral, um gene chamado RNF213 evoluiu rapidamente e pode ter estimulado o fluxo de sangue para o cérebro ao ampliar a artéria carótida. Nos humanos, as mutações do RNF213 causam a doença de Moyamoya -...
Leia mais

Facelift do Vampiro: Terapia de rejuvenescimento com injeção de sangue no rosto

Ficar com a aparência mais jovem é um desejo comum à maioria das pessoas e uma espécie de obrigação para algumas celebridades. O último tratamento 'milagroso' que promete rejuvenescer o rosto dos pacientes, no entanto, leva um apelido um tanto tétrico: a técnica é conhecida popularmente como o 'Facelift do Vampiro'. Usado por celebridades como Kim Kardashian, o procedimento - chamado pelos médicos de terapia PRP (Plasma Rico em Plaquetas) - consiste em retirar o sangue do paciente, centrifugá-lo, extrair o plasma e injetar este plasma de volta no rosto do cliente. Daí a associação com os amigos do conde Drácula. Pode parecer estranho, mas o uso do PRP para curar e reparar problemas é, atualmente, uma área de muito destaque em pesquisas científicas, embora sua utilização em tratamentos estéticos ainda seja recente. Janet Hadfield, diretora de uma companhia britânica chamada Biotherapy Services, que pesquisa o PRP, afirma que a terapia tem sido usado há anos na cura de ferimentos e...
Leia mais

Cientistas dos EUA tentam extrair ouro de fezes em esgoto

Pesquisadores americanos estão investigando formas de extrair ouro e metais preciosos de esgoto doméstico. O grupo identificou resíduos de ouro nas estações de tratamento de esgoto americanas em níveis que, se encontrados em rochas, justificariam comercialmente a atividade de mineração. "O ouro que encontramos foi no nível de um depósito mineral mínimo", disse uma das autoras do estudo, Kathleen Smith, da US Geological Survey (USGS). "Há metais em todo lugar: nos produtos para cabelo, em detergentes, até nanopartículas colocadas em meias para reduzir o mau odor". Esses produtos acabam indo para o esgoto e se misturando às fezes, completou. Os detalhes do estudo foram divulgados na reunião nacional da American Chemical Society (ACS), em Denver. A extração de metais a partir de resíduos também poderia ajudar a conter a liberação de substâncias tóxicas no meio ambiente. Segundo o estudo, qualquer que seja sua origem, os dejetos contendo esse metais são canalizados a estações de tratamento de esgoto; muitos desses metais acabam entre os...
Leia mais

Mudanças na internet vão permitir capacidade “quase infinita” de conexões

O crescimento exponencial de equipamentos conectados à internet levou a Agência Nacional de Telecomunicações (Anatel) a adotar uma medida similar à feita em linhas telefônicas. Assim como foi necessário acrescentar um dígito nos números de telefone para atender ao crescimento da demanda, os endereços de protocolo chamados IPv4 – número de identificação que permite a conexão dos equipamentos à internet – já estão dando lugar a uma nova versão com capacidade “quase infinitamente maior”: o IPv6. “É uma quantidade tão absurda de IPs possíveis, que daria para colocar um endereço em cada grão de areia existente na Terra”, explica o superintendente de Planejamento e Regulamentação da Anatel, José Alexandre Bicalho. Responsável pela coordenação da transição das tecnologias, o superintendente explica que os 340 undecilhões (o equivalente a 36 zeros após o 340) de endereços possíveis a partir do novo protocolo vai permitir que cada habitante do planeta tenha 48x10 elevado a 18ª potência de equipamentos conectados. "É muito improvável que,...
Leia mais

Cão fareja com sucesso 88% de cânceres na tireoide

Um cachorro usado para farejar o câncer de tireoide em pessoas ainda não diagnosticadas teve 88% de sucesso em detectar a doença, segundo pesquisadores americanos. Na experiência, apresentada na reunião anual da Endocrine Society (associação internacional para a pesquisa de hormônios e endocrinologia clínica), um pastor alemão teve que "cheirar" 34 pacientes. A equipe de cientistas da Universidade do Arkansas para Ciências Médicas (UAMS, na sigla em inglês) disse que o animal tinha um faro "inacreditável". Comentando o estudo, o instituto de pesquisa britânico Cancer Research UK disse que usar cachorros para o diagnóstico não seria prático, mas que descobrir as substâncias químicas que eles farejam pode levar a novas pesquisas e avanços. A tireoide é uma glândula localizada no pescoço que produz hormônios reguladores do metabolismo. Tumores na tireoide são relativamente raros e normalmente são diagnosticados testando os níveis de determinados hormônios no sangue e usando uma agulha para extrair células da glândula para exames. Trabalho delicado O câncer é constituído de células defeituosas...
Leia mais

Universidade desenvolve banheiro químico que gera energia a partir da urina

Um banheiro químico revolucionário poderá mudar totalmente a vida de quem vive em campos de refugiados. Desenvolvido na Universidade do Oeste da Inglaterra, ele foi criado para aproveitar a urina para produzir energia própria. O banheiro foi inaugurado na quinta-feira e gerou grandes expectativas. "Se isso funcionar, vai ser uma mudança na vida daquelas pessoas, porque nos campos de refugiados na África, não há nenhuma eletricidade e fica muito escuro. Isso pode representar a forma mais sustentável e barata de gerar energia", disse Andy Bastable, da Organização Internacional de caridade, Oxfam. ...
Leia mais

Pesquisadores extraem de soja transgênica composto contra a aids

A biotecnologia está, a cada dia, propondo novos rumos para a indústria farmacêutica. A novidade é que pesquisadores da Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) conseguiram extrair e purificar a cianovirina, cultivada em soja transgênica, uma proteína presente em algas que é capaz de impedir a multiplicação do vírus HIV no corpo humano. A pesquisa foi publicada pela revista científica Science e comprova que as sementes de soja geneticamente modificadas constituem, até o momento, a biofábrica mais eficiente e uma opção viável para a produção em larga escala da proteína. “Estamos trabalhando para atingir esta etapa há cinco ou seis anos. Pudemos acumular grande quantidade de cianovirina dentro da soja e conseguimos purificá-la”, explicou o pesquisador da Embrapa Recursos Genéticos e Biotecnologia, Elíbio Rech. Desenvolvida desde 2005, a pesquisa com biofábricas para a cianovirina é feita em parceria com o Instituto Nacional de Saúde dos Estados Unidos e a Universidade de Londres. O objetivo é produzir um gel, com propriedades...
Leia mais

Pesquisa liga café diário a artérias mais limpas

O consumo diário de algumas xícaras de café pode ajudar a evitar o entupimento das artérias, um conhecido fator de risco para doenças cardíacas, disseram pesquisadores sul-coreanos, o que deve reabrir o debate sobre os benefícios da bebida para o coração. O estudo analisou mais de 25 mil funcionários homens e mulheres que se submeteram a exames de saúde de rotina no local de trabalho. Os resultados foram divulgados na publicação científica Heart. Aqueles que bebiam uma quantidade moderada de café - de três a cinco xícaras por dia - tinham uma possibilidade menor de apresentar os primeiros sinais de doença cardíaca nos exames médicos. Efeitos no coração Os efeitos que o café têm sobre a saúde do coração ainda causam dúvidas. Alguns estudos relacionam o consumo da bebida a fatores de risco cardíaco, como maior colesterol ou pressão arterial. Já outras pesquisas sugerem, na verdade, alguma proteção cardíaca. Neste estudo, pesquisadores usaram exames médicos para avaliar a saúde do coração. Eles buscavam,...
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e