Economia

Embraer fecha junho com US$ 17 bilhões em encomendas

A Embraer fechou o mês de junho com uma carteira de US$ 17,4 bilhões em pedidos, segundo informações divulgadas nesta sexta-feira (20) pela empresa. As encomendas somam um total de 360 aeronaves. Ao longo do segundo trimestre do ano, a companhia entregou 20 jatos de aviação executiva, sendo 15 unidades leves e cinco grandes. Na aviação comercial, foram entregues 28 aeronaves de abril a junho. Nos primeiros seis meses de 2018, a companhia entregou 78 unidades de aviação executiva e comercial. Na segunda-feira (16), a Embraer anunciou a assinatura de um contrato para venda de 25 jatos E175 para a norte-americana United Airlines, por US$ 1,1 bilhão. As entregas do modelo de 70 assentos devem começar no primeiro trimestre de 2019. No Brasil, a companhia aérea Azul tem uma encomenda de 30 jatos 195-E2. Boeing No início do mês, a Embraer anunciou a formação de uma joint venture com a Boeing, que vai abarcar todos os negócios e serviços de aviação comercial da...
Leia mais

Índice que reajusta aluguéis registra alta de 0,53%

O Índice Geral de Preços - Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, registrou inflação de 0,53% na segunda prévia de julho, taxa inferior ao 1,75% da segunda prévia de junho. Segundo dados divulgados nesta quarta-feira (18) pela Fundação Getúlio Vargas (FGV), com a prévia, o IGP-M acumula taxas de inflação de 5,94% no ano e de 8,26% em 12 meses. A queda da taxa foi puxada pelos produtos no varejo e no atacado. O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que mede o atacado, registrou taxa de 0,52% na segunda prévia de julho. No mês anterior, a taxa foi de 2,24%. O Índice de Preços ao Consumidor, que acompanha a variação de preços do varejo, passou de 0,99% na segunda prévia de junho para 0,39% na segunda prévia de julho. Por outro lado, o Índice Nacional de Custo da Construção, terceiro subíndice que compõe o IGP-M, subiu de 0,48% para 0,90% no período. A segunda prévia de julho...
Leia mais

Conta de luz vai subir entre 0,02% e 3,86%

A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) aprovou nesta terça-feira (17) reajuste de 45,52% na receita anual de geração de 69 usinas hidrelétricas que atuam no regime de cotas. A medida vai provocar aumento nas contas de luz entre 0,02% e 3,86%, segundo a Aneel. O impacto médio será de 1,54%. O impacto na conta de luz depende da data do reajuste aprovado pela Aneel e da quantidade de cotas (volume de energia) que cada distribuidora compra das hidrelétricas. O volume de cotas de cada distribuidora representa, em média, 22,64% dos contratos de energia das concessões. A remuneração total recebida pelas usinas, de julho de 2018 a junho de 2019, será de R$ 7,944 bilhões. Segundo a Aneel, a receita anual de geração é calculada considerando os valores do Custo da Gestão dos Ativos de Geração (GAG), acrescidos de encargos de uso e conexão, receita adicional por remuneração de investimentos em melhorias de pequeno e grande porte, investimentos em bens não...
Leia mais

Embraer fecha venda de 25 aviões para a United: US$ 1,1 bi

A Embraer anunciou nesta segunda-feira (16) a assinatura de um contrato para venda de 25 jatos E175 para a norte-americana United Airlines por US$ 1,1 bilhão. As entregas do modelo de 70 assentos devem começar no primeiro trimestre de 2019. Com esse pedido, a Embraer vendeu mais de 400 jatos E175 para companhias aéreas da América do Norte desde janeiro de 2013. A fabricante brasileira diz que atualmente é responsável por atender mais de 80% dos pedidos no segmento entre 70 e 76 assentos na região. O E175 faz parte da família de E-Jets que inclui modelos de 70 a 150 lugares. A Embraer já entregou 1,4 mil aeronaves do tipo a partir dos 1,8 mil pedidos recebidos. São mais de 70 clientes em 50 países. Boeing No início do mês, a Embraer anunciou a formação de uma joint venture com a Boeing que vai abranger todos os negócios e serviços de aviação comercial da empresa brasileira. A companhia norte-americana vai pagar...
Leia mais

Ministro considera ruim para Brasil disputa entre EUA e China

O ministro das Relações Exteriores, Aloysio Nunes, considera ruim para o Brasil a disputa comercial dos Estados Unidos, que impõe política protecionista, com a China. Ele participou hoje (13) de reunião com os setores de comércio exterior e de agronegócio da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), na capital paulista. “As implicações de uma guerra comercial são muito ruins para o mundo, especialmente para um país em desenvolvimento como o nosso, que precisa ter acesso a mercados, que precisa ter intercâmbio comercial e de investimento maior”, disse o ministro. Para ele, o comércio exterior depende de regras e normas estáveis, “que não dependam do humor desse ou daquele governante”, além do fortalecimento da Organização Mundial do Comércio (OMC). O ministro admite que o Brasil poderá ter ganhos no curto prazo em alguns setores, mas que será prejudicado no médio prazo. “Essa guerra vai levar à diminuição do ritmo de crescimento da economia mundial, e o país que quer, cada vez mais, se inserir no mercado...
Leia mais

Confiança do consumidor registra pior índice desde 2017

O Indicador de Confiança do Consumidor recuou 6,1% em junho na comparação com maio. Com esse recuo, o indicador retrocedeu para 38,8 pontos, o que representa o mais baixo patamar desde janeiro de 2017, início da série histórica. Os dados foram apurados pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL). Pela metodologia, o indicador varia de zero a 100, sendo que resultados acima de 50 pontos demonstram o predomínio de otimismo, ao passo que abaixo de 50, o que prevalece é a visão pessimista. Na avaliação do presidente da CNDL, José Cesar da Costa, mesmo com o fim da recessão, a confiança do consumidor encontra dificuldades para atingir resultados consistentes, tendo em vista o tímido crescimento da economia, que ainda não se recuperou das perdas acumuladas ao longo da crise e nem se reflete em melhora efetiva nos dados de emprego e renda. Em junho, o quadro foi agravado pela paralisação dos...
Leia mais

Exportações de aço do Brasil para os Estados Unidos sobem após tarifa

No primeiro mês após a introdução da tarifa de 25% pelo governo do presidente Donald Trump sobre o aço importado pelos Estados Unidos, as siderúrgicas brasileiras aumentaram as vendas do produto para o país. Em junho, as exportações de aço do Brasil para o mercado norte-americano somaram US$ 548,6 milhões, quase o triplo em relação a junho de 2017 (US$ 210,8 milhões). Em volume de embarques, a exportação também aumentou: de 386,9 mil toneladas em junho de 2017 para 885,2 mil no mês passado. Os números foram divulgados hoje(12) pelo Ministério da Indústria, Comércio Exterior e Serviços (MDIC), que detalhou as vendas do produto para o mercado norte-americano. Um dos fatores que explicam o aumento das exportações de aço foi o fim da greve dos caminhoneiros. Por causa da paralisação, as vendas do produto para os Estados Unidos caíram para US$ 110,8 milhões em maio. Em junho, os embarques se recompuseram, com as siderúrgicas desovando a produção não exportada nos cercade...
Leia mais

Brasil e Bolívia negociam tratado para integração elétrica

Os governos do Brasil e da Bolívia negociam alternativas de aproveitamento do potencial hidrelétrico ao menor custo, com menos impactos socioambientais e mais efeitos socioeconômicos positivos, de tal forma que a energia gerada possa ser destinada ao território brasileiro. Os acordos ainda estão em fase de negociações. Inicialmente, a disposição é para definir um tratado binacional, com bases legais e segurança jurídica, para uma integração elétrica de grande porte entre o Brasil e a Bolívia. A expectativa é fechar os termos de cooperação até março de 2019. No último dia 5, técnicos brasileiros e bolivianos se reuniram, em Santa Cruz de la Sierra (Bolívia), no Comitê Técnico Bilateral Brasil-Bolívia em matéria energética (CTB). O vice-ministro de Eletricidade da Bolívia, Bismark Canelas, e Moacir Bertol, do Ministério de Minas e Energia, coordenaram os trabalhos. Para a próxima reunião, prevista para 2019, brasileiros e bolivianos deverão levar estudos mais aprofundadas de normas legais e infralegais que devem ser criadas ou adaptadas para viabilizar...
Leia mais

IGP-M registra inflação de 8,13% em 12 meses na 1ª prévia de julho

O Índice Geral de Preços – Mercado (IGP-M), usado no reajuste dos contratos de aluguel, registrou inflação de 0,41% na primeira prévia de julho, taxa inferior à apurada em junho (1,5%). O indicador acumula taxas de 5,82% no ano e de 8,13% em 12 meses, segundo informações divulgadas pela Fundação Getulio Vargas (FGV). A queda da taxa foi puxada pelos preços no atacado e no varejo. O Índice de Preços ao Produtor Amplo, que acompanha o atacado, caiu de 2,06% na primeira prévia de junho para 0,34% na prévia deste mês. A inflação do Índice de Preços ao Consumidor, que analisa o varejo, recuou de 0,54% na prévia de junho para 0,39% na prévia de julho. Por outro lado, o Índice Nacional de Custo da Construção (INCC) subiu 0,91% na prévia de julho, acima do 0,18% de junho....
Leia mais

Petrobras e franceses firmam parceria para negócios em energia renovável

A Petrobras e as empresas francesas Total e Total Eren assinaram na segunda-feira (9) memorando de entendimentos com o objetivo de analisar o desenvolvimento conjunto de negócios nos segmentos de energia solar e energia eólica onshore (em terra) no Brasil. Segundo nota divulgada pela estatal brasileira, a assinatura foi consequência dos promissores resultados iniciais obtidos pela parceria estratégica assinada em fevereiro do ano passado entre as duas empresas. Desde então, a Petrobras e a Total vêm investigando outras áreas potenciais de cooperação. A realização desse acordo faz parte da estratégia da Petrobras de desenvolver negócios de alto valor em energia renovável, em parceria com grandes players globais, visando a transição para uma matriz de baixo carbono. “O desenvolvimento de uma parceria dessa natureza tem como principais benefícios a diluição de riscos relacionados ao negócio de energias renováveis no Brasil e potenciais ganhos de escala e sinergias”, diz a Petrobras. Renováveis Atualmente a Petrobras tem quatro parques eólicos em parceria, totalizando 104 megawatts...
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e