Cultura

Programa da Rádio MEC Blim-blem-blom inicia nova temporada no Rio

O premiado programa da Rádio MEC de música clássica para crianças Blim-blem-blom abre nova temporada no próximo sábado (16), com edição ao vivo às 12h, transmitida direto do Teatro Dulcina, localizado na Rua Alcindo Guanabara, centro do Rio de Janeiro. A entrada é franca e o evento é livre para todas as idades. Idealizado pelo humorista, compositor, produtor musical e pianista brasileiro Tim Rescala, o Blim-blem-blom objetiva aproximar a garotada da música clássica de maneira divertida e alegre. O nome do programa foi emprestado de uma suíte homônima composta por Rescala. O programa de reestreia vai contar com a participação da musicista Betina Fonseca, de 10 anos de idade. Junto com Tim Rescala, Betina entrevista, apresenta e comenta as obras e os compositores interpretados pelos artistas convidados, de acordo com informação da Rádio MEC. Nesse programa de abertura da nova temporada, a programação salienta a participação das crianças do Projeto Bem-me-quer Paquetá, da violinista Carla Rincón e do Coral Infantil da Universidade Federal do Rio...
Leia mais

Sesc leva a todo o país a terceira edição do Projeto Arte da Palavra

O Serviço Social do Comércio (Sesc) promove, em todo o país, a terceira edição do projeto Arte da Palavra – Rede Sesc de Leitura. Pesquisa feita pelo Ibope mostrou que 44% da população brasileira não têm o hábito de ler e 30% nunca compraram um livro. O projeto do Sesc foi iniciado esta semana e vai percorrer, até dezembro deste ano, 93 municípios, reunindo 84 artistas, entre escritores, poetas, rappers (discurso rítmico com rimas e poesia), contadores de histórias, que vão dialogar com o público durante bate-papos, oficinas e apresentações poéticas. Todas as atividades são abertas à população e gratuitas. Lançado em 2017, o Arte da Palavra tem uma curadoria coletiva, feita por especialistas do Sesc de todo o país, que seleciona escritores nacionais para participarem do circuito. No ano passado, cerca de 30 mil pessoas foram beneficiadas diretamente. Com a finalidade de destacar a literatura nacional, o Arte da Palavra se divide em três circuitos. O primeiro envolve os autores e é...
Leia mais

Cinemateca Brasileira abre Mostra Mulheres, câmeras e telas

Começa hoje (14) na Cinemateca Brasileira, em São Paulo, a Mostra Mulheres, câmeras e telas, que visa a dar maior projeção a obras dirigidas por mulheres. Nesta segunda edição, serão exibidos dois filmes raros: India Song (1975), com direção da francesa Marguerite Duras, muito conhecida também por seu trabalho literário, e O pequeno exército louco (1984), primeiro filme da brasileira Lúcia Murat, que aborda as forças em disputa pelo poder na Nicarágua, como as tropas norte-americanas que chegaram na década de 1930, e a Frente Sandinista de Libertação Nacional. Outro destaque da programação é o documentário O caso do homem errado (2017). Sob direção de Camila de Moraes, o filme conta a história de Júlio César, um jovem negro que foi executado pela polícia, na década de 1980 em Porto Alegre, ao ser confundido com um assaltante A entrada para as sessões, que terminam no dia 31 de março, é gratuita, e os ingressos poderão ser retirados na bilheteria da Cinemateca uma hora antes da exibição. A...
Leia mais

Ópera Condor abre temporada 2019 do Theatro Municipal do Rio

A ópera Condor, última composta por Carlos Gomes, abre nesta sexta-feira (15) a temporada 2019 do Theatro Municipal do Rio de Janeiro. A obra em três atos tem como artistas convidados a soprano Eliane Coelho e o tenor Fernando Portari. Antônio Carlos Gomes foi o mais importante compositor de ópera brasileiro. O diretor artístico do Theatro Municipal, André Heller-Lopes, informou que a ópera Condor abre também as comemorações dos 110 anos do local, ao mesmo tempo em que celebra a chegada do maestro Luiz Fernando Malheiro como diretor musical da casa. Malheiro será o regente da obra de Carlos Gomes, que estreou em 1891, no Teatro Scala de Milão, e não era executada no Rio de Janeiro há 75 anos. “Resolvemos fazer deste primeiro semestre um semestre de aniversário”, destacou Heller-Lopes. As comemorações serão abertas pela ópera de Carlos Gomes e encerradas no dia 14 de julho com a grande ópera francesa Fausto, que reunirá juntos o coro, a orquestra e o corpo de...
Leia mais

Sítio Burle Marx é preparado para candidatura a patrimônio mundial

O Sítio Roberto Burle Marx (SRBM) passa pelos últimos preparativos para a candidatura a Patrimônio Mundial da Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco). O dossiê da candidatura, preparado durante todo o ano passado, com 602 páginas, foi encaminhado pelo Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) à representação brasileira na Unesco em janeiro e será analisado na reunião do Comitê do Patrimônio Mundial prevista para junho em Baku, no Azerbaijão. A diretora do sítio, Cláudia Storino, diz que o processo passa por um rito predeterminado, iniciado em 2015 com a inscrição do local em uma lista provisória de candidatos. Caso o dossiê seja aprovado, no segundo semestre uma missão da Unesco visitará o sítio. “Uma vez que eles considerem o dossiê adequado, na segunda metade do ano a Unesco envia um consultor ou dois em missão de avaliação. Esses especialistas vão ao local para verificar se o que está posto no dossiê corresponde à...
Leia mais

Masp recebe exposição da pintora modernista Djanira da Motta

O Museu de Arte de São Paulo (Masp) recebe, a partir de hoje (1º), a exposição Djanira: a memória de seu povo, que traz trabalhos de toda a trajetória da artista, do início dos anos 1940 ao final dos anos 1970. A mostra faz parte de um esforço para reposicionar Djanira da Motta e Silva no cenário artístico brasileiro do século 20, além de marcar 40 anos de sua morte. Com pouco estudo formal em artes e um desenvolvimento principalmente autodidata, Djanira trouxe diversas influências para suas obras. “Ela vai buscar uma série de referências plásticas tanto em uma tradição mais ocidental da história da pintura, quanto na própria visualidade popular brasileira. Aí está essa fricção, essa dificuldade de reduzir Djanira a um lugar só”, explica um dos curadores da exposição, Rodrigo Moura. Falta de reconhecimento As especifidades da obra dela, que não estava ligada diretamente a nenhum grupo de artistas, fizeram com que a crítica da época, na opinião de Moura,...
Leia mais

Viradouro volta à elite e desfila sob a batuta de Paulo Barros

Quando entrar na avenida no domingo de carnaval, a Unidos do Viradouro estará novamente no Grupo Especial - a elite das escolas de samba do Rio de Janeiro. O campeonato em 2018 na Série A (antigo grupo de acesso) deu à vermelho e branco de Niterói o direito a essa volta ao palco onde já fez passagens marcantes. A Viradouro estreou no grupo especial em 1991, após ganhar o título do acesso, e se manteve na elite do carnaval do Rio até 2010. Nesse período, conquistou o campeonato em 1997, com o enredo Trevas! Luz! A Explosão do Universo, do carnavalesco Joãozinho Trinta (morto em 2011). Com o rebaixamento, em 2011, retornou à série A, onde permaneceu até ser campeã em 2014. Mas nem saboreou o gosto da elite do carnaval carioca e logo caiu novamente. No ano passado, retornou ao grupo especial. A ascensão de uma escola é uma responsabilidade até para os mais experientes no Sambódromo. Para o carnavalesco Paulo Barros, que já foi campeão pela Unidos da...
Leia mais

Exposição sobre Museu Nacional tem peça refeita por estudante

Em meio a fósseis de milhares de anos e cerâmicas de séculos, a exposição Museu Nacional Vive - Arqueologia do Resgate abre as portas hoje (27) no Centro Cultural Banco do Brasil (CCBB), no Rio de Janeiro, com um tesouro produzido no ano passado. Trata-se da réplica do Trono de Adandozan, do antigo reino africano de Daomé, produzida por um aluno de 13 anos para um trabalho no Colégio Américo de Oliveira, em Marechal Hermes, na zona norte do Rio. O trono original foi doado pelo Rei Adandozan a dom João VI, em 1811, e fazia parte do acervo do Museu Nacional desde a sua fundação, há mais de 200 anos. Com o incêndio que consumiu o interior do palácio imperial em 2 de setembro, acredita-se que a peça, que era de madeira, foi destruída. A qualidade da reprodução feita em papel machê e verniz impressionou e emocionou servidores do Museu Nacional. O trabalho, que seria para complementar pontos na média de Miguel Monteiro Nunes, em...
Leia mais

Mangueira conta história do Brasil pela ótica dos heróis populares

Com o enredo História pra Ninar Gente Grande, a Estação Primeira de Mangueira pretende contar, na Marquês de Sapucaí, a história do Brasil pela ótica dos heróis populares. O samba-enredo da escola é um dos mais cantados este ano, o que se costuma dizer no mundo do carnaval: “caiu no gosto do público”. Com 19 conquistas, a escola está no grupo especial. Para o carnavalesco da Mangueira, Leandro Vieira, é evidente a aceitação da comunidade pelo samba escolhido nos ensaios na quadra. “A comunidade da Mangueira, que se reconhece no discurso, é uma comunidade apaixonada pelo que está cantando, e isso é bom. O samba fala exatamente o que a Mangueira canta, por isso, ele é tão popular e encontrou uma espécie de carinho dos ouvintes e das pessoas que cantam e brincam com o carnaval da Mangueira”, afirmou o carnavalesco. Jamelão Os índios que, segundo a sinopse do enredo, “lutaram e resistiram por mais de meio século de dominação”, estarão representados no desfile da Mangueira. A escola...
Leia mais

Acervo de 7 mil cordéis será digitalizado pela Casa de Rui Barbosa

As palavras dos pioneiros do cordel impresso no Brasil e de muitos de seus sucessores farão parte de um acervo digitalizado na Fundação Casa de Rui Barbosa, instituição federal que guarda uma das mais importantes coleções do gênero literário no país. O projeto está em fase inicial e vai abranger 7 mil das 9 mil obras da Casa de Ruy Barbosa, que ainda não estão digitalizadas. As outras 2 mil já ganharam versão digital. O processo deve durar todo o ano de 2019, e a publicação online para o público vai depender da aprovação de cada cordelista ou de sua família. No caso das obras que já estão em domínio público, a disponibilização na internet já está garantida. O acervo da fundação é muito procurado por pesquisadores por conter obras do início do século 20, quando o cordel ganhou suas primeiras versões impressas com autores como o paulista Leandro Gomes de Barros, chamado de "príncipe dos poetas" por Carlos Drummond de Andrade, e o...
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e