Conexão Ténorio

John Hammond é o vilão de Jurassic Park?

A força motriz por trás de Jurassic Park é John Hammond. Através de sua riqueza e dos recursos de sua empresa, os dinossauros mais uma vez andam pela Terra. É um feito tão notável que é fácil perder de vista os perigos que o acompanham. O filme posiciona Hammond como um verdadeiro fã de suas criações. Por conseguinte, ele nunca teve nenhuma intenção além de trazer essas relíquias do passado à vida para o mundo desfrutar. Sendo direto, Hammond é simplesmente ingênuo e perdido em seu próprio senso de admiração. https://www.youtube.com/watch?v=HWAMA8Vov4s Entretanto, sejamos justos, ele nunca pretendeu ser famoso ou expandir sua própria riqueza - um ponto que fica comprovado quando ele diz a seu advogado, Donald Gennaro, que não quer que o parque atenda aos ricos. Ele quer que todos possam desfrutar dos animais. No entanto, depois que o parque se torna um caos, Hammond percebe que suas ambições eram míopes e faz tudo o que pode para ajudar seus convidados...
Leia mais

Afinal, por que “Lightyear” merece ser visto no cinema?

"Lightyear" é um filme importante por várias razões. Primeiro, ele fornece um contexto essencial para o mito de "Toy Story", dando ao público no mundo real um vislumbre do filme que inspirou Andy a comprar um brinquedo Buzz Lightyear em primeiro lugar. "Lightyear" é efetivamente a versão deste universo de "Star Wars", então Andy e todas as outras crianças naturalmente iriam querer figuras de ação de seu patrulheiro espacial favorito – agora eu quero uma versão do xerife Woody no velho oeste. Em um contexto muito mais real, "Lightyear" é significativo porque marca a primeira vez em mais de dois anos que um filme da Pixar chega aos cinemas. O último filme a fazer isso foi “Dois Irmãos: Uma Jornada Fantástica”, de 2020, que saiu logo antes da pandemia do COVID-19 causar paralisações em massa. Desde então, todos os filmes da Pixar foram direto para o Disney+, incluindo “Soul”, “Luca” e “Red: Crescer é Uma Fera”. Esses eram todos conceitos...
Leia mais

Em Nárnia 2, o ataque surpresa ao castelo de Miraz nunca aconteceu

Na versão cinematográfica de "Príncipe Caspian", Pedro (William Moseley) coloca na cabeça que, à medida que o exército de Miraz (Sergio Castellitto) se aproxima, a melhor coisa que os velhos narnianos podem fazer é realizar um ataque surpresa em seu castelo. Outros resistem ao seu plano, mas no final o Rei Supremo assume o comando e eles atacam a fortaleza. O ataque começa bem, mas a maré vira e nossos heróis precisam recuar com pesadas perdas. Todo o ataque ao castelo é abandonado como um capítulo fracassado da guerra. Lorde Miraz Tudo isso faz sentido – exceto pela parte em que os narnianos nunca atacam Miraz em primeiro lugar. No livro, não há aventuras secundárias ofensivas ou criaturas mitológicas conduzindo ataques aéreos. Tudo isso é adicionado para apimentar a história cinematográfica. Lembre-se de como eles adicionam muita ação extra aos filmes? Sim. Além disso, a atitude de Pedro durante todo o evento está longe. O Pevensie mais velho é muito teimoso...
Leia mais

Onde estão os dentes de leite?

A série de livros e filmes "Harry Potter" provou ser um dos maiores fenômenos da cultura pop de todos os tempos no final dos anos 1990 e início dos anos 2000, enquanto os fãs aguardavam ansiosamente cada um dos sete romances de JK Rowling e as oito adaptações cinematográficas que a acompanhavam produzidas pela Warner Bros. "Harry Potter" foi uma série de filmes única em seu elenco de longo prazo, pois os produtores conseguiram manter quase todo o elenco original, incluindo as estrelas da série Daniel Radcliffe, Rupert Grint e Emma Watson, em oito filmes e mais de uma década de produção. Embora a série não tenha funcionado como um universo compartilhado como o MCU de hoje, "Harry Potter" demonstrou que uma série de filmes de sucesso popular e bem aclamada poderia ser feita mesmo contando com atores infantis para carregar filmes enquanto crescia ao lado deles. Os intérpretes de Harry Potter, Ron Weasley e Hermione Granger não foram os únicos...
Leia mais

Sam Raimi só assistiu 4 filmes do MCU antes de dirigir “Doutor Estranho 2”

"Doutor Estranho no Multiverso da Loucura" promete ser um dos filmes mais imprevisíveis e importantes para apreciar o Universo Cinematográfico Marvel na Fase 4. Para começar, o filme deve continuar as tramas do multiverso da franquia após os eventos de “Homem-Aranha: Sem Volta para Casa”, então tudo é possível. Além disso, Wanda Maximoff (Elizabeth Olsen) retornará ao grupo pela primeira vez desde "WandaVision", embora aflita e mais poderosa do que nunca. Jogue algumas aventuras no multiverso, e o que você tem é um filme que deve mudar (ou não) a paisagem do MCU nos próximos anos. Sendo sincero, uma das coisas mais emocionantes sobre "Doutor Estranho no Multiverso da Loucura" é o retorno de Sam Raimi à cadeira do diretor. Sua trilogia "Homem-Aranha" dos anos 2000, sem dúvida, abriu o caminho para a atual era de ouro dos filmes de super-heróis. Com seus filmes de web-slinger, Rami mostrou que entende esses personagens e histórias, o que o torna perfeito para...
Leia mais

Guia prático das versões anteriores ao Batman de Robert Pattinson

Desde que apareceu pela primeira vez em 1939 nas histórias em quadrinhos criadas por Bob Kane e Bill Finger, Batman se tornou um dos personagens da cultura pop mais onipresentes e amados do mundo, com inúmeras iterações em todos os tipos de mídia visual. E mesmo que o Batman exista há mais de 80 anos, o apetite entre os fãs por mais histórias do Batman parece crescer cada vez mais.  O Batman de Robert Pattinson é a 13ª aparição do patrulheiro de Gotham. Pattinson é o sétimo ator a encarnar na tela o icônico personagem da DC. Nessa perspectiva, Matt Reeves será o oitavo cineasta a reinventar o Homem Morcego.  Cartaz de The Batman, de Matt Reeves Aqui está o nosso guia prático das versões anteriores ao Batman de Pattinson: Batman (1989): No 50º aniversário da primeira aparição de Batman nos quadrinhos (em Detective Comics #27 de 1939), o diretor Tim Burton desencadeou uma verdadeira sensação cinematográfica. Quando a poeira baixou, Batman não era apenas o campeão de bilheteria de 1989, mas...
Leia mais

“A Última Tentação de Cristo” – o filme que transformou Willem Dafoe

O grande Willem Dafoe gosta de trabalhar em uma infinidade de gêneros cinematográficos, o que inclui desde blockbusters a longas independentes - sejam eles dirigidos por grandes nomes da indústria ou até mesmo desconhecidos e iniciantes. Em mais de 40 anos de carreira, Dafoe teve a sorte de trabalhar ao lado de nomes como: Wes Anderson, Hector Babenco (1946-2016), Sean Baker, Anthony Minghella (1954-2008), Oliver Stone, Lars von Trier, Martin Scorsese e Sam Raimi. Dafoe construiu sua carreira através de papéis menores, secundários e independentes, entretanto, o talentoso ator estadunidense sempre desfrutou de seu sucesso consistente entre os mais altos escalões da suntuosa e seletiva Hollywood. As muitas faces de Dafoe Por esse ângulo, corroborando com seu talento, ao todo, Dafoe já foi indicado quatro vezes indicado ao Oscar: três vezes na categoria de Melhor Ator Coadjuvante por “Platoon” (1987), de Oliver Stone, “A Sombra do Vampiro” (2001), de E. Elias Merhige, e “Projeto Florida” (2018), de Sean Baker, e uma na categoria de Melhor Ator por “No Portal...
Leia mais

Oscar 2022: 13 atores talentosos que nunca foram indicados ao prêmio

A honra de uma indicação ao Oscar é uma das mais altas que uma pessoa pode receber em Hollywood. Ainda assim, muitos atores talentosos ainda não receberam a distinção, apesar de uma infinidade de papéis e performances ao longo de várias décadas.  De veteranos como Jeff Daniels e Michelle Yeoh a estrelas consagradas como Oscar Isaac e John Goodman aos atores subestimados Idris Elba, Donald Sutherland, Steve Buscemi, Paul Dano, Guy Pearce, Jeffrey Wright, Julie Delpy e Mia Farrow muitos ainda buscam a glória da Academia. Para comemorar a 94ª edição do Oscar, que vai ao ar em 27 de março, o OERJ resolveu listar atores que deveriam ter recebido pelo menos uma indicação ao Oscar até este momento de sua carreira. Para não ser confundido com a lista “definitiva”, sempre há nomes a serem adicionados – e esperamos que alguns sejam retirados nos próximos anos. O conjunto de indicados para atuação deste ano inclui nove indicados pela primeira vez: Jessie Buckley (“A Filha Perdida”),...
Leia mais

Troy Kotsur faz história como primeiro ator surdo a ganhar o Spirit Award

Troy Kotsur fez história como o primeiro ator surdo a vencer o Film Independent Spirit Awards 2022 no domingo (27). O ator ganhou o prêmio de melhor coadjuvante masculino por seu papel em No Ritmo do Coração, no qual interpreta o pescador surdo Frank Rossi. Kotsur discursa no Film Independent Spirit Awards 2022 Depois de agradecer ao público, Kotsur disse que ficou emocionado por estar na mesma sala que tantos outros artistas. “A diferença entre Gloucester, Massachusetts, e aqui em Santa Monica é que um pescador surdo não pode pagar uma cerveja em Santa Monica: é caro”, disse o ator surdo por meio de um intérprete no palco. “É realmente interessante comparar os dois lugares.” Ele acrescentou que está “muito grato a toda a comunidade pesqueira de Gloucester que apoiou o filme". Kotsur concluiu seu discurso agradecendo à esposa e à filha, que não puderam comparecer ao show, mas estavam lá em “espírito”. Nos bastidores, Kotsur agradeceu à Emilia Jones, que ele esqueceu de mencionar no palco,...
Leia mais

Konstantin Stanislavski e a importância do método

Konstantin Stanislavski é uma parte indispensável na história das artes cênicas. Durante sua vida, ele recebeu elogios por seu próprio trabalho como ator e diretor, mas o foco central de seu legado é o sistema único que ele projetou para os atores seguirem. Em 1906, o grupo Moscow Art Theatre fez sua primeira turnê europeia e acabou sendo um grande sucesso. No entanto, também causou uma crise muito séria na mente de Stanislavski porque o fez ver que a maior parte de sua atuação era “mecânica”. Apesar de seus melhores esforços, ele estava entregando performances completamente desprovidas de qualquer base emocional real. Para resolver isso, Stanislavski embarcou em uma jornada que logo se tornaria o trabalho de sua vida. Em vez de olhar para suas futuras produções como projetos separados, ele começou a vê-las como uma série de experimentos necessários para aprofundar sua pesquisa sobre as maquinações da mente de um ator. Muitas pessoas ao seu redor não entendiam o que Stanislavski pretendia e o...
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e