Boletim Meridional

Os hebetismos de um ministro saltimbanco

Se o oferecimento de presentes também fosse parte dos ritos carnavalescos, a virtual dispensa de Abraham Weintraub do cargo de ministro da educação seria como uma benesse celestial. Tal hipótese vem adquirindo consistência na medida em que a demissão dos principais assessores que integram a sua pasta ocorre através de um efeito cascata desde o fim de 2019. Esse caos no prédio situado no Bloco L da Asa Norte de Brasília é por conta de infinitos erros bestiais que Weintraub faz questão de cometer e que terminam justificando o seu título de “pior dirigente da história do MEC”, atribuído por diferentes profissionais do setor educacional. Nenhum outro coeficiente é tão importante para que a cidadania seja impecavelmente formada quanto a educação. É dela que os critérios responsáveis pelo desenvolvimento ético; científico; trabalhista e até mesmo a cortesia derivam. É o método que permite o refinamento de inúmeros conceitos humanos a fim de beneficiar a sociedade em termos gerais. Sob...
Leia mais

Lula livre e o povo preso

“Da forma que a Esquerda em geral defende o ex-Presidente Lula, fica parecendo que o mesmo conseguiu realizar a tão sonhada Revolução do Proletariado e a socialização dos meios de produção no Brasil, com o fim das oligarquias, propriedades e superação total das matrizes do capitalismo. É tanto fanatismo que a impressão passada é de que Lula não é um político, mas sim uma divindade. Chegam a esquecer que a dívida externa do país foi transformada em interna durante o seu mandato, possibilitando que o FMI, sigla correspondente ao Fundo Monetário Internacional, efetuasse múltiplos salvamentos bancários em plena Crise dos Subprimes, batizando as transações como meros empréstimos disponibilizados pelas instituições públicas da economia brasileira.”Expressei tal sentença — e a reitero categoricamente — em um debate virtual sobre conjunturas políticas há cerca de três anos. Isto posto, me perguntaram quais métodos foram utilizados por Luiz Inácio Lula da Silva, trigésimo quinto Presidente da República, para transcrever a dívida externa...
Leia mais

Que haja disciplina no querido Pavilhão Tricolor em 2020

Todos os seres humanos possuem determinadas certezas nas quais acreditam plenamente. Em meu caso, é a de que sou tricolor de coração. Jamais escondi meu apreço pelo Fluminense Football Club, agremiação pela qual torço desde menino. Não obstante, relativizar impasses nunca foi do meu agrado. Portanto, o único grande clube de futebol do Rio de Janeiro isento de "regatas" em sua denominação precisa ser advertido com urgência. Verdade seja dita, eu tive o privilégio de vibrar com o Fluminense na conquista de dois Campeonatos Brasileiros; uma Copa do Brasil; uma Primeira Liga e diversos turnos do Cariocão, bem como o mesmo de forma principal. Também amarguei uma infinidade de derrotas catastróficas, sendo o vice-campeonato da Taça Libertadores da América e o da Sul-Americana as mais doloridas. No momento presente, já não me exaspero com as vitórias garantidas que foram descartadas em uma porção de jogos no Brasileirão de 2019, até porque a nova comissão técnica vem trabalhando para diminuir...
Leia mais

A gleba dos leigos

Na contemporaneidade, todos os indivíduos que não compreendem algo — seja por incapacidade científica ou então por falta de interesse no assunto — são rotulados como “leigos”. Originalmente, este adjetivo possui conexão etimológica com o termo “laico”, oriundo do grego (laïkós) e do latim (laicus) e que retratavam àquelas pessoas que eram contra as lideranças populares. Durante o Período Medieval europeu, também representou o oposto da palavra “clérigo”, isto é, os sacerdotes que formavam o plantel da Igreja Católica Romana. Com o passar dos séculos, tal expressão acabou superando a órbita dos eclesiásticos e se transformou em um sinal para identificar os tolos em geral, sendo amplamente utilizada com o objetivo de classificar os que estão alheios a determinadas proposições. Os leigos são ingênuos, reducionistas, desinformados e, via de regra, hostis. Eles têm a necessidade de receber explicações da forma mais hialina possível e, não obstante, custam a entender os princípios temáticos de uma série de questões. Aliás, costumam...
Leia mais

O Rio de Janeiro e a corrosão de suas águas

Em meados da década de 1970, quando houve a fusão do antigo Estado da Guanabara com aquele Rio de Janeiro espelhado pela cidade de Niterói, três instituições públicas de serviços hídricos gerais foram consubstanciadas em uma. Surgia aí a Companhia Estadual de Águas e Esgotos do Rio de Janeiro, popularmente conhecida por meio do acrônimo CEDAE. Para quem disponibiliza atenção às crônicas nupérrimas da sociedade fluminense, não causa espanto saber que a CEDAE possui, desde o princípio, uma equipe de profissionais com altíssimo grau de instrução técnica e compromisso ético, reconhecida por todo o Brasil e mencionada com absoluta deferência por uma série de organizações internacionais. São pessoas que mantêm a companhia funcionando 24 horas por dia através de um trabalho meticuloso e rigorosamente bem definido, almejando realizar um excelente tratamento das águas que correm pelo território do Rio de Janeiro. Assim, garantem a distribuição profícua da mesma — sob as diretrizes jurídicas vigentes — a quase...
Leia mais

Ela veio com a luz que sempre foi

Jamais pretendi utilizar o espaço que tenho neste jornal para fazer declarações românticas. Não é pela temática que decidi expor aqui ou porque me faltava uma namorada, mas sim pelo fato de que nunca possuí talento suficiente para realizar algo tão protuberante. Minhas narrativas, a propósito, inclinam-se à ótica de segunda ou terceira pessoa, e dificilmente não busco derrubar a famosa "quarta parede". Diferente do sentimentalismo, a causticidade espontânea é um traço idiossincrático que preservo desde a infância. Todavia, essa ocasião dispensa o uso de palavras beligerantes. É lógico que não almejo converter este boletim semanal em uma circular de rapsódias irredutíveis, mas não posso deixar de escrever sobre a mulher que me resgatou do frio e extinguiu a insônia que tanto me perseguia devido a uma série de calamidades que enfrentei nos últimos tempos. Reitero que não sou hábil com isso, porém é tudo o que sinto — e merece uma imortalização fidedigna. Seu nome é Amanda. Ela detém...
Leia mais

O “menos pior” e suas consequências

No último trimestre deste ano, iremos comemorar o nonagésimo aniversário do fim da Revolução de 1930, que alçou Getúlio Vargas ao poder através de um golpe de Estado e pôs fim a Primeira República Brasileira. Mas nem tudo mudou, principalmente nos vértices correspondentes ao molde da política nacional e suas comparações. Vargas controlou a República por dezenove anos, sendo quinze como ditador. Ao contrário do que muitos adoram conceber, o fato do décimo quarto Presidente do Brasil ter sido um autocrata não significa nada; tampouco é argumento intelectualmente suficiente e honesto para inscrevê-lo no rol dos pústulas das crônicas gerais da nação. Os remanescentes da população que viveu em seu governo são pessoas com aproximadamente noventa anos de idade. Eram apenas crianças durante o período e seriam incapazes de acompanhar a trajetória do país com a devida maturidade. Todavia, esses mesmos cidadãos repetem o que seus familiares diziam: "Getúlio Vargas foi nosso último e melhor presidente!" Assim sendo, nem toda...
Leia mais

Feliz Ano-novo?! É…tomara que sim

Faltam apenas quatro dias para que o ano de 2019 se finde. É o limiar dos "Anos 20" do quinto século do calendário gregoriano. Todavia, o Brasil parece amarrado ao período da invasão lusitana de 1500. Para que haja uma verdadeira expansão da qualidade de vida e desenvolvimento econômico nacional, é preciso combater as desigualdades sociais com brio e rigidez. Isso exige que as verbas públicas sejam utilizadas de forma coerente — tanto pelos vértices da razão quanto pelas margens da legalidade —, bem como deve haver a minimização do desperdício; da burocracia supérflua e do abandono premeditado e inconsequente. Todos os pontos mencionados são conceitos fundamentais e imanentes. Sendo assim, os brasileiros que se preocupam com a investigação dos fatos compreendem os eventos atuais do país sem muitas dificuldades. É nítido que o Brasil atravessa uma fase de turbulência cáustica há décadas, com o preço dos itens e serviços básicos se multiplicando e o poder real dos salários decaindo bruscamente....
Leia mais

Festival religioso ou banalização do consumo?

O dia 25 de dezembro está se aproximando, mas o incentivo ao consumismo bárbaro e leviano tem se multiplicado profundamente desde o fim de novembro. Tal conjuntura será mantida até janeiro, onde as mercadorias natalinas remanescentes sofrem uma queda significativa nos preços. Qualquer indivíduo com o mínimo de sensatez e instrução financeira básica pondera antes de efetuar uma compra, por menor que ela seja. Existe alguma emergência concreta que justifique a aquisição de um novo produto? Há outros utensílios em casa que podem atender às mesmas necessidades de forma equivalente? É o momento apropriado para um sumpto? Os benefícios acarretados pelo item serão maiores que as expensas? Tais observações são absolutamente imprescindíveis, contudo é uma simples minoria que leva esses princípios em consideração. De um modo geral, a sociedade brasileira é extremamente forçada ao consumo intenso em diversos paradigmas. Sendo assim, é muito difícil conduzir a vida de uma maneira serena, utilizando apenas o essencial e com responsabilidade. Tamanho desafio...
Leia mais

O Horizonte Geopolítico das Telecomunicações no Brasil (Segunda Parte)

Quando a Telebras foi reativada no fim do primeiro semestre de 2010, as empresas do ramo de telecomunicações declararam guerra à estatal, uma vez que a instituição voltou a funcionar para dirigir o Plano Nacional de Banda Larga, introduzido por meio do Decreto 7175/10. O antigo Ministério das Comunicações, órgão responsável por gerenciar todo o empreendimento à época, renomeado como Ministério da Ciência, Tecnologia, Inovações e Comunicações em virtude de fusão com outras pastas, fez uso do Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações para que tamanha expansão pudesse ser atingida. Essas reservas possuíam determinações legais que ordenavam a utilização dos valores em programas exclusivamente relacionados ao sistema comutativo, e sua logística deveria ser feita obrigatoriamente pelo Estado. O fundo era composto pela arrecadação de pequenas taxas resultantes das contas referentes aos mais diversos serviços de telecomunicações que os consumidores pagam e a sua missão primordial consistia em subvencionar as operações das entidades privadas em lugares remotos e...
Leia mais
http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e