Caixas de comida chegam às favelas brasileiras em um momento de pandemia e onda de fome

O surto criou uma crise política para o presidente Jair Bolsonaro, gerou um polo na economia do Brasil e causou crescente sofrimento para os residentes mais pobres do país

O Brasil é um dos produtores agrícolas mais importantes do mundo, mas milhões de pessoas no maior país da América Latina estão lutando para colocar comida na mesa enquanto o surto de COVID-19 está causando estragos na economia.

Para combater a fome crescente, um grupo denominado G-10 Favelas começou a distribuir cestas básicas para favelas da cidade de São Paulo. Até o final deste mês, 30 mil toneladas terão sido entregues, informou.

O grupo distribuiu pacotes para brasileiros que esperavam em longas filas socialmente distantes na favela Heliópolis na quarta-feira. Entre os que receberam o pacote estava Irami Castro, que se disse grata pela ajuda.

“Agradeço a Deus, porque hoje eu preciso. Sou viúva, não tenho ajuda, não tenho nada ”, disse ela.

O Brasil tornou-se um dos países mais afetados pela pandemia no mundo, com cerca de 4.000 pessoas morrendo por dia de COVID-19. O sistema de saúde está à beira do colapso em São Paulo.

O surto criou uma crise política para o presidente Jair Bolsonaro, gerou um polo na economia do Brasil e causou crescente sofrimento para os residentes mais pobres do país.

A Fundação Getulio Vargas estima que 12,8% da população brasileira – cerca de 27 milhões de pessoas – vive agora abaixo da linha de pobreza de 246 reais (US $ 43) por mês, o máximo desde que a série de dados começou, há uma década.

Aproximadamente 66 milhões de brasileiros receberam um programa de transferência de renda do governo no ano passado. Essa explosão de quase $ 60 bilhões de renda básica suavizou o golpe econômico do coronavírus, impulsionou a popularidade do Bolsonaro e combateu a pobreza.

No entanto, ele expirou no final do ano passado. Um novo pacote de ajuda, a partir deste mês, proporcionará quatro transferências mensais de uma média de 250 reais para uma população mais restrita.

“Essa ação de doação de alimentos na favela é muito importante porque está dando a opção de esses moradores poderem comer por pelo menos um mês”, disse Gilson Rodrigues, presidente da associação G-10. “Estamos vivendo em um Brasil de fome.” Reuters

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e