Brigas de casal: o exercício do poder

Após cinco minutos de discussão, eles não se lembram mais do motivo pelos quais estão brigando

A vida de casal pode ir do paraíso ao inferno quando as brigas tomam conta da relação. O ato de brigar passa pela necessidade de disputar ou lutar por algo que acredita, independente de ser dentro de um relacionamento a dois. Mas, é comum relacionamentos amorosos permeados por discussões. Em algumas delas existe um motivo sólido para ser defendido, em sua maioria as discussões simplesmente não tem motivo algum para acontecerem.

O motivo principal que torna as brigas de casal relevantes de serem analisadas é a necessidade que as pessoas têm de mostrar dominação sobre o parceiro. Tanto homens quanto mulheres, guardadas as devidas proporções, querem, em algum momento da relação, exercer o poder, deixar claro quem manda na relação.

A especialista em coaching para o sucesso Fabiana Koch analisa que essa disputa pelo poder tem um viés interessante pelo fato de a mulher estar se tornando protagonista nas discussões. “Diante do espaço que as mulheres estão conquistando na sociedade, aquilo que ela tolerava no passado hoje nem sempre ela irá aceitar, pois muitas vezes ela participa do orçamento familiar, o que a torna mais forte”, explica Fabiana.

Poder desmedido

Homens e mulheres disputam poder no relacionamento. Foto: Shutterstuck

Homens e mulheres disputam poder no relacionamento. Foto: Shutterstuck

Talvez um dos maiores desafios dentro de um relacionamento amoroso é administrar a sensação de posse do outro. Esse sentimento vai danificando a relação e, segundo Silvana Rangel, psicoterapeuta e coach especialista em relacionamentos, as relações pautadas pela dominação estão fadadas ao fracasso, pois em um relacionamento saudável não há necessidade de dominar o outro.

Em geral, parece haver uma dificuldade das pessoas em aceitar o parceiro como ele é. Às vezes, existe uma necessidade de moldá-lo de acordo com o que se idealiza, porém o primeiro requisito para uma relação ser duradoura é aceitar o parceiro como ele é. Um se adaptar ao jeito de ser do outro vai garantir uma relação mais harmoniosa. “Amor, diálogo, lealdade, admiração e principalmente respeito, são essenciais para uma relação conjugal ser minimamente saudável”, salienta a psicoterapeuta Silvana Rangel.

Evitar Brigas bobas evita o desgaste

De repente as brigas surgem do nada. Acusações e cobranças por motivos aparentemente irrelevantes. Muitas discussões começam seguindo esta ordem. Um dos pares começa a fazer cobranças, o outro retruca, as vozes se alteram, um fala por cima do outro e, em poucos minutos, já nem sabem mais porquê estão brigando.

“Pesquisas demonstram que a maior parte dos casais após cinco minutos de discussão não conseguem lembrar a razão do inicio do conflito, pois já estão discutindo questões muito mais antigas. Boa parte das discussões dos casais tem haver com falhas na comunicação, clareza nas palavras e excesso de expectativas”, descreve Jô Furlan médico, professor e pesquisador na área de Neurociência do Comportamento.

Construir uma relação sólida é um grande desafio e, na verdade, é uma tarefa diária. Não há fórmulas nem segredos e o casal terá de descobrir, juntos, qual a melhor estrutura para construir seu futuro. O Dr. Jô Furlan lembra que a relação sobreviverá enquanto o casal sentir que juntos geram algo capaz de os mobilizar intensamente, já que, construir um relacionamento dá muito trabalho, mas se há vontade de fazer dar certo o casal saberá descobrir o melhor caminho a seguir.

Por

Webjornal O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e