Sobre: Paula Toom

Jornalista, tradutora, revisora e redatora. Tem 3 cachorros, 3 gatos fixos e mais um monte ao seu redor. Cuida para que eles não sejam abandonados pelas sarjetas. É editora-chefe das colunas que você lê aqui.

Postagens recentes por Paula Toom

Pombos-correio, sua eficiência sem fim e sem meias palavras

Antigamente, mas nem tanto, eu adorava escrever cartas e por elas esperar a resposta por dias, semanas até, mas esperava. E elas chegavam. As notícias vinham sem pressa e a vida era bem menos estressante. Os correios eram bem menos eficientes do que hoje, não havia Sedex, muito menos internet e mensagens instantâneas. Instantâneo era saber que não tinha carta na caixa de correios ou que o telefone não dava linha. Era o que tínhamos. E sobrevivemos! Ainda adoro escrever cartas, hoje e-mails, sem selo e a expectativa da resposta vinda pelas mãos do carteiro, não ter frios na barriga a cada vez que o carteiro passava reto no portão de casa. Hoje ele só entrega as contas.

Voltando aos pombos de grife, Os pombos-correio são uma raça diferente dos pombos comuns. Usados há muito tempo, inclusive na Primeira Guerra Mundial, quando não havia comunicação por rádio, levavam recados entre os...

Leia mais

O cavalo é a mais nobre conquista do homem

A frase é do naturalista francês do século XVIII, Georges-Louis Leclerc, conde de Buffon. O cavalo existe há cerca de 55 milhões de anos e tem no Eohippus um de seus mais antigos ancestrais. Por volta de três milhões de anos, a espécie Equus já apresentava cascos e teve a capacidade de se espalhar por diferentes partes do mundo. E assim, alguns milhares de anos, homem e cavalo se encontrariam para a realização de várias tarefas que envolveriam a agricultura, o transporte, a guerra e até mesmo o esporte. E assim o amor foi consolidado.

Não importa o seu nível de conhecimento e/ou afinidade, um cavalo é um cavalo e não é apenas um cavalo. Cavalo não é para maltrato, não é trabalho até as últimas, não é no chicote. Cavalo tem que ser tratado mesmo como um ser supremo, visto que é sobre seu lombo que aconteceram os maiores...

Leia mais

Brava gente Brasileira

Fim de mês. É hoje. Já prontos para o Setembro que vai acabar em história? Antes que esse mês acabe, nada melhor que relembrar algumas partes da nossa existência que não devemos nos esquecer nunca, afinal, a nossa vida é feita de lembranças e são elas as nossas melhores - às vezes as mais fiéis - mascotes.

Procurando datas para esquecer o mínimo possível e, por serem muitas, fui checar no site do governo, para lembrar as datas com mais fidelidade. O ruim é que tudo está travado desde 2016, e vai de março até junho. Isso não significa uma Data Sem Nenhuma Homenagem Digna, devem existir coisas mais importantes no governo do que preservar a nossa história, como reclamar sobre o fundo eleitoral, CPI do uso abusivo de calças jeans no Congresso e, não menos importante, a data em que as cadelinhas de raça do governo entram no cio....

Leia mais

Abelha-rainha na rua, sinal de novas eleições

Pela primeira vez na minha vida, assisti a uma deposição real. Nada de glamour, joias, ouro e súditos. Mas uma rainha sem trono, largada no chão da minha lavanderia. Eu, como patriota e defensora dos animais desde sempre, dei uma de louca, peguei Vossa Alteza nas mãos e tentei salvá-la com água e açúcar. Já tinha visto alguma coisa parecida, vai que funciona?

Funcionou um pouco, mas ainda não entendia o motivo dela estar fora do seu castelo de cera e mel, com suas súditas operárias a alimentando de geleia real o tempo todo, abanadores zangões à sua volta, pondo aproximadamente 2000 ovos por dia (por dia!!) e todas as mordomias que um reinado sempre tem. Só que não.

Uma vez rainha, sempre rainha. Mesmo que deposta

As abelhas-rainhas desenvolvem-se em células especiais, mais largas que...

Leia mais

Digito porque é Windows. Se fosse Olivetti, datilografá-lo-ia

Essa frase é uma releitura de um tempo nem tão tenebroso; maluco talvez, descontrolado igual. Mas é de um tempo em que todos aqueles que usavam as palavras para difundir pensamentos tinham que, necessariamente saber datilografar com equilíbrio de ideias, resumir menos, reler o que escreveu, revisar todos os erros sem nenhuma porcaria de revisor eletrônico que às vezes erra e confunde mais do que acerta.

Tenho saudades dos plec-plec… plim das máquinas de escrever! Minhas lembranças dos cursos de datilografia que fazíamos na escola com a Dona Celina, que depois começou a nos ensinar a de taquigrafia:
A, S, D, F, G, Ç, L, K, J, H. Todas as terças-feiras!

Máquina de escrever Olivetti Linea 98 | Rosablue Antiguidades
Tive um dinossauro desses. Virei antepassada

Dona Celina também nos deu aulas de OSPB (Organização Social e Política do...

Leia mais

Comentários recentes por Paula Toom

    Sem comentários por Paula Toom yet.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e