Sobre: Amilton Cordeiro

Jornalista, pesquisador de samba e compositor.

Postagens recentes por Amilton Cordeiro

Três encontros com Beth

Beth Carvalho era uma personalidade facilmente encontrada e disponível. Não era difícil eventualmente vê-la pela cidade em rodas de samba, quadra de escolas, blocos carnavalescos, atos políticos e em locais tipo o Bar Bip Bip, em Copacabana, no antigo Encontros Cariocas, no Centro do Rio e em estádios de futebol torcendo pelo nosso Botafogo. Para mim, não obstante as incontáveis ocasiões em que a assisti em shows a avistei pelas andanças da vida, três vezes especialmente se tornaram inesquecíveis.

A primeira vez que vi a madrinha do samba pessoalmente foi nos idos do carnaval de 1983. Desfilava o Clube do Samba pela avenida Rio Branco e Beth, radiante e bela, lá estava à frente do bloco, ao lado do presidente e fundador João Nogueira, levando no colo sua filha Luana, ainda bebê.

Junto com vários sambistas conhecidos, entoava o refrão de protesto naqueles tempos de ocaso do...

Leia mais

Novo racha no mundo do samba

Na última semana, o mundo do samba vivenciou o ápice de uma crise que vem se desenrolando há algum tempo. Ela envolve as escolas de samba do grupo de acesso e a entidade que as representa: a Lierj - Liga das Escolas de Samba do Rio de Janeiro.

O imbróglio tem como pivô nove agremiações descontentes, que queriam mudanças na direção da entidade. Após perderem uma ação judicial, que resultou na permanência do presidente Renato Martins, o Thor, no comando da Lierj, as escolas se rebelaram e anunciaram a criação de uma nova associação representativa: a Liga - Liga Independente do Grupo de Acesso.

O presidente da entidade original contra-atacou e numa dura nota acusou os dissidentes de buscarem o poder a qualquer custo, além de serem manipulados por dirigentes de uma outra associação, a Liesb - Liga das Escolas de Samba do Brasil,...

Leia mais

O padroeiro dos sambistas

Na próxima terça-feira, 23 de abril, os católicos comemoram o dia de São Jorge, um dos santos mais populares e festejados para os brasileiros. Em todo o estado do Rio de Janeiro é feriado e em varias cidades as igrejas dedicadas a ele lotam de fiéis nas missas celebradas durante o dia.

Para os sambistas, São Jorge pode ser considerado um padroeiro. O santo guerreiro é intensamente reverenciado pelo mundo do samba e isto pode ser comprovado nos diversos sambas compostos em sua homenagem, nas inúmeras vezes em que já desfilou na avenida e nas imagens que se espalham pelas quadras das agremiações.

Isto também se deve ao sincretismo religioso que fez com que os negros vindos da África ligassem a imagem do santo guerreiro ao do orixá Ogum. Daí os seguidores das religiões afrobrasileiras passaram também a cultuar este dia, fundindo as duas figuras sagradas.

Há algum tempo venho insistindo com amigos sambistas e compositores da importância que o samba-enredo tem no sucesso e bom de envolvimento do desfile de uma escola. A história nos mostra que um belo visual plástico nem sempre garante uma boa colocação, mas um samba que contagia público e foliões é um grande passo para um campeonato.

Mesmo agremiações menores, que não despontam entre favoritas, muitas vezes conseguem galgar posições de cima impulsionadas por um grande samba. Exemplo mais recente foi a Paraíso do Tuiuti, em 2018 que, cotada para o rebaixamento, alcançou o vice-campeonato, muito devido ao samba do "vampirão".

A campeã de 2019, Mangueira, também deve muito do seu título ao samba-enredo "Histórias para ninar gente grande", um sucesso que extrapolou o mundo do Carnaval e já é cantado pelas rodas de samba e pagodes afora.
Temos exemplos históricos de sambas que impulsionaram desfiles e ganharam...

Leia mais

Novas caras no samba

O mundo do samba não para. Nem mesmo terminou o período de quaresma, que em outros tempos seria uma espécie de retiro ou recesso, as movimentações nas escolas de samba continuam .

Várias mudanças já estão confirmadas. Entre carnavalescos, Jack Vasconcelos, depois de alçar a Paraíso do Tuiuti ao topo do grupo especial, transferiu-se para a Mocidade Independente, onde desenvolverá o enredo sobre Elza Soares.

A azul e amarela de São Cristóvão imediatamente anunciou João Vítor Araújo, que vem da Unidos de Padre Miguel, do grupo de acesso, para substitui-lo. Deste grupo, a Grande Rio também foi buscar a dupla Leonardo Bora e Gabriel Haddad, que vem de dois grandes trabalhos na Acadêmicos do Cubango, vice-campeã do Acesso em 2019.

Estes carnavalescos estreantes se somarão a novas caras que vêm despontando no grupo de elite do carnaval carioca e que demonstraram grande vigor artístico no desfile deste ano. Novatos como Jorge Silveira, da São Clemente...

Leia mais

Comentários recentes por Amilton Cordeiro

    Sem comentários por Amilton Cordeiro yet.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e