Sobre: Alexandre Mauro

Jornalista e comentarista esportivo. Moro em Niterói há 22 anos. Fã de cultura e esportes. Ex-editor em jornais na cidade do Rio de Janeiro. Atualmente me dedico à interatividade cultural. Acredito na importância da divulgação por todos os meios da cultura nesse país.

Postagens recentes por Alexandre Mauro

Quem veio primeiro: a arte ou a vida?

Quantos filmes você viu no ano passado? Eu me refiro a filme mesmo, longa metragem. Aqueles que aguardamos ansiosos pela estreia nas salas de cinema. Pois é, a pandemia veio e nos privou desse programa. É verdade que alguns filmes acabaram sendo lançados através na rede. Mas é diferente. Desde criança eu sou um apaixonado pela sétima arte. Viajo nas histórias bem contadas e aventuras que nos permitem sonhar. Romances também são bem vindos, é claro que na medida certa.

Sou um amante do cinema, bons filmes nunca são demais. Tenho uma pequena videoteca em casa e não me canso de assistir a alguns bons filmes. Hoje em dia ficou um pouco mais complicado, pois o tempo está curto para tantas coisas e esse costume fica um pouco mais de lado. É verdade que as séries tomam conta de nosso pouco tempo disponível e acabamos por nos acomodar com a praticidade de, num simples...

Leia mais

Ano novo, vida nova, mas por quê?

A primeira semana do novo ano já está indo embora e a rotina começa a voltar. As festas de final de ano sempre me intrigaram. Ao mesmo tempo que me envolveram em expectativas e esperanças, pois desde pequeno aprendi que o ano novo era a porta para a felicidade, uma vez que toda a nossa sorte estava depositada na virada de ciclo. O clima sempre me embriagava de alegria. Fim de ano, férias escolares, mais tempo para ficar com os amigos e olha que não tínhamos internet e nem TV a cabo.

Vivíamos sempre na sensação de uma nova oportunidade de fazer tudo diferente e melhor. Entrava ano e saía ano nada de efetivo mudava. Depois de idas e vindas, pude perceber que estava tudo na minha mente, pois não é a mudança de um calendário que vai fazer tudo se alterar sem que façamos por onde. Está aí, um aprendizado. Dieta, metas, organização,...

Leia mais

Quem olha pra frente seus medos espanta

Nesta semana eu assisti ao filme "Não olhe para cima". Quando vi as chamadas do filme imaginava uma abordagem natural, de cinema catástrofe, como todos os filmes desse gênero. E me deparei com uma abordagem totalmente diferente. No início não me senti confortável, pois a ação dramática nos traz emoção e adrenalina e esse filme nos tira totalmente essa situação. Mas logo pude perceber a mensagem subliminar. Magistral por sinal, pois nos mostra a face humana em seu pior momento. Quando uns vêm com a esperança, outros carregam negacionismo por onde andam a fim de fazer mais adeptos em um mundo cansado de ser abstrato.

Sabemos que somos seres ruins, com a maldade dentro de nós e basta apenas um start para mostrarmos o que podemos ser. Muitas pessoas conseguem ao longo da vida emperrar este botão e viver uma vida digna e mais próxima da desejada. Mas muitas outras parecem que vivem a procura...

Leia mais

Pantanal rima com Natal

Para os mais jovens, fica muito difícil o entendimento do que foi Pantanal para a cultura brasileira. Pantanal foi uma novela que mudou a forma de fazer novelas. É bom a gente acreditar que uma história bem contada não precisa de cortes e edição de imagens e Pantanal mostrou um Brasil que muitos não conheciam sem se preocupar com cortes nas cenas na natureza. Sua estreia foi em 27 de março de 1990. História contada em 216 capítulos. Seu último capítulo foi em 11 de dezembro de 1990. Durante quase um ano, os brasileiros se deliciaram as aventuras da comitiva esperança e seus “causos” contados nas noites e com moda de viola. A naturalidade como foi contada é o grande trunfo do sucesso.

Além de uma história recheada de misticismo, o folhetim alcançou números incríveis de audiência. Um elenco afinadíssimo, mesclando jovens talentos como Cristiana Oliveira, Marcos Winter, Luciana Adami, Andrea Richa, Carolina Ferraz,...

Leia mais

Feliz Natal, mas a guerra não acabou

Sinto falta dos filmes que passavam na época do natal antigamente. Lembro-me bem que nas semanas que antecediam o natal, além do clima natalino ser mais harmonioso e verdadeiro, tínhamos os filmes bíblicos. Eu pequeno ainda e interessado em conhecer aquelas histórias contadas de forma lúdica e com mensagens que ficaram fixas em minha memória. Nunca li a Bíblia Sagrada, mas conheço algumas passagens graças a esses filmes, que a sessão da tarde nos brindava com tamanho empenho e interesse.

O que mudou? Será o que mundo não reconhece mais a história de Jesus? O que restou de dois mil anos foram apenas a poesia? Ou as alegorias que fomentam nos dias de hoje, o comércio e os lucros que a data traz para quem instituiu a famosa "liberdade poética" para a data? Talvez sim. Não quero vir aqui e acabar com o comércio natalino, não, longe de mim. Quero apenas dar a importância...

Leia mais

Comentários recentes por Alexandre Mauro

    Sem comentários por Alexandre Mauro yet.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e