As lives invadem o mundo do samba

O sambista é sem dúvidas um ser resiliente. Impossibilitado de frequentar as quadras das escolas, as rodas de samba e bares, aproveitou um jeito de se manter conectado sem perder o ritmo.

As lives de sambistas invadiram as redes sociais da internet. Diariamente, são centenas delas, tornando-se impossível acompanhar todas. Uma prova de que em meio a tantas coisas ruins trazidas por essa pandemia, algo de bom floresce no ar.

Algumas dessas transmissões têm alcançado um público imenso, como a realizada pela Beija Flor, que durou cerca de cinco horas e contou com a presença do seu puxador Neguinho, o carnavalesco Milton Cunha, como mestre de cerimônias e diversos cantores de agremiações do Rio de Janeiro.

Vários sites especializados em Carnaval também têm feito lives diárias para entreter os aficionados da festa. Como por exemplo, os sites Carnavalesco, SRZD, Rádio Arquibancada, Mais Carnaval, entre outros.

As escolas de samba também embarcaram na onda e estão abrindo canais para transmissões pela internet, como forma de agregar os seus componentes e o público em geral.

Hoje, dia 30, a Lierj – Liga Independente das Escolas de Samba, que comanda a série A dos desfiles, fará uma live com todas as suas filiadas e seus cantores relembrando sambas antológicos.

O Império Serrano inaugurou o seu canal no youtube e anunciou para o próximo domingo, dia 31, uma apresentação com alguns de seus artistas, como Jorginho do Império, Zé Luiz, Arlindinho Cruz, Hamilton Fofão e o intérprete Nego. No mesmo dia, a Leão de Nova Iguaçu anuncia por seu canal o enredo para o próximo ano com direito, também, a sambas cantados pelos cantores da casa. Além disso, uma novidade que é a feijoada virtual, um serviço de delivery para quem estiver assistindo e quiser saborear o prato.

Na segunda-feira, dia 1⁰ de junho, é a vez da escola Império da Uva, que também anunciará o seu enredo por meio de uma roda de samba virtual, pelo seu canal do youtube.

Além disso, vários compositores e cantores de samba também estão fazendo lives. Algumas mais produzidas, em estúdio, com grupo completo de músicos, mantendo as normas sanitárias e recomendações médicas. Umas mais intimistas, na própria casa do artista, apenas com acompanhamento de cavaquinho e violão, e até mesmo à capela.

Entre essas individuais de sambistas, o destaque é a da cantora Tereza Cristina, que todas as noites, às 22 horas, tem conseguido reunir uma audiência de até 3 mil pessoas. Outra live também muito interessante é a do cantor e compositor Dunga, aos domingos à noite, desfilando seus sambas, que já fizeram sucesso na voz de nomes como Zeca Pagodinho e Almir Guineto.

Enfim, as lives são um achado dos sambistas para manter esse congraçamento característico do samba. E já que não pode acontecer presencialmente, por enquanto, que seja dessa forma virtual.


Por

Jornalista, pesquisador de samba e compositor.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e