Andes: incêndios na Amazônia intensificam derretimento de gelo

Pesquisadores dizem que o impacto da fumaça e do derretimento será sentido em todo o continente

A fumaça originada na queima de florestas da Amazônia pode intensificar o derretimento dos glaciares na América do Sul, o que alimenta preocupações de eventual crise de falta d’água na região.

Isto porque o derretimento das geleiras tropicais fornece água para milhões de pessoas.

O alerta vem de uma equipe de pesquisadores que recriou, em modelos, o movimento e o efeito das partículas de fumaça nas geleiras andinas e compararam suas conclusões com imagens de satélite.

Eles dizem que o impacto da fumaça e do derretimento será sentido em todo o continente.

“O desmatamento e os incêndios na Amazônia, que ocorrem principalmente na Bolívia, Peru e Brasil, não podem ser considerados uma questão local”, alerta Newton de Magalhães Neto, doutor em geociências pela Universidade Federal Fluminense (UFF) e pesquisador no Laboratório de Geoprocessamento do Instituto de Geografia Física da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ).

“Eles têm implicações sociais em escala continental, porque acelerar a perda de geleiras aumenta o risco de uma crise hídrica e a vulnerabilidade de várias comunidades andinas diante das mudanças climáticas.”

Como os incêndios afetam o gelo a centenas de quilômetros de distância?

A primeira coisa que Magalhães Neto e coautores — Heitor Evangelista, também da UERJ; e pesquisadores da Universidade Grenoble Alpes, na França — o estudo, publicado no periódico Scientific Reports, se propôs a fazer foi verificar se a fumaça dos incêndios na Amazônia poderia alcançar os glaciares nos Andes.

O estudo focou em dados de dois anos, 2007 e 2010, quando ocorreram mais incêndios do que o habitual na floresta Amazônica, e em um glaciar específico, o Zongo, na Bolívia.

Dados atmosféricos mostraram que a fumaça dessas queimadas, particularmente partículas de carbono preto, foi transportada pelo vento e depositada nas geleiras das montanhas.

“Uma vez depositado na geleira, o [carbono preto escurece] a superfície da neve/gelo, o que reduz sua capacidade de refletir a radiação solar — ou a luz solar”, explica Magalhães Neto.

Em resumo, uma superfície escura absorve mais energia do sol, o que intensifica o derretimento.

A descoberta não foi tão surpreendente assim porque o mesmo processo já fora observado em outras partes do mundo.

“A Groenlândia recebe grandes quantidades de carbono preto com origem em combustíveis fósseis devido a processos industriais na América do Norte e na Europa”, explica Neto. “E o carbono preto originado na queima de combustíveis fósseis e biomassa no hemisfério norte acelerou o derretimento das geleiras no Ártico”.

Qual o impacto disso?

Comunidades em todo o continente dependem do derretimento das geleiras nos Andes para o seu abastecimento de água, o que significa que o impacto deste processo será sentido em uma área grande.

Ryan Wilson, da Universidade de Huddersfield, na Inglaterra, estuda o impacto das mudanças climáticas nas geleiras dos Andes há cinco anos. Ele disse que o estudo demonstrou o impacto a longa distância dos incêndios na Amazônia.

Mas ele alertou que o estudo analisa apenas uma geleira, acrescentando que são necessárias “mais investigações para entender o panorama em escala regional”. BBC

Por

Webjornal O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e