Água sólida, a aposta inovadora do México para combater grandes secas

Não é gelo, claro, mas o nome pelo qual eles batizaram um polímero superabsorvente desenvolvido especialmente para a agricultura

As secas não deram trégua ao México e tudo indica que só vão piorar no futuro. No entanto, não há desafio que a criatividade humana e a pesquisa não possam enfrentar. Hoje, múltiplos cultivos já se beneficiam de uma invenção que permite economizar água, disponibilizá-la quando e na quantidade que precisam e melhorar a qualidade de seus produtos: a água sólida.

Água sólida? Sim. Não é gelo, claro, mas o nome pelo qual eles batizaram um polímero superabsorvente desenvolvido especialmente para a agricultura.

Os cristais desse polímero capturam até 250 vezes seu peso em água e o retêm na forma de um gel, que é colocado ao redor das raízes das plantas de qualquer cultura criando uma reserva de água subterrânea que pode durar muito tempo.

Para entender o conceito, Amílkar Mendizábal, Diretor de Marketing e Operações de Água Sólida, propõe esta comparação: imagine um copo ou garrafa que se enche aos poucos com água de chuva ou irrigação, reserve a água de 30 a 45 dias no máximo e a libere lentamente para atingir “umidade estável” no solo.

“Conforme a planta precisa, a água sólida vai liberar essa umidade” e mantê-la onde é necessária: na zona da raiz.

Os polímeros superabsorventes têm sido usados ​​por muitos anos em diferentes indústrias. Porém, a Água Sólida decidiu desenvolvê-los para serem compatíveis com a agricultura: vão liberar água conforme a necessidade das lavouras, são biodegradáveis ​​e atóxicos.

A meta: 80%

No México, o principal uso da água potável é para atividades agrícolas (76%), seguido do abastecimento público (14,4%), indústria (4,9%) e energia elétrica (4,7%), de acordo com o Water Advisory Council , uma organização civil dedicado a este problema.

Mendizábal explica que o uso de água sólida economiza 80% do recurso (líquido) destinado às lavouras.

Além disso, explica Amílkar Mendizábal, quando uma planta é regada, 80% da água vai para o fundo, onde a raiz não chega, e o restante evapora. Com água sólida, eles podem “mudar aquele funil de resíduos”.

“Podemos colocar apenas 20% dessa água e funciona como o 100% que a planta precisa”, afirma.

Como usar água sólida

Existem duas versões do polímero: uma para culturas temporárias, como o milho, que dura dois ou três anos, e outra de longa duração, que é usada em árvores frutíferas que levam anos para se desenvolver. Isso se aplica, por exemplo, ao cultivo de abacates e limões, e deve durar cinco ou seis anos .

Nessas lavouras temporárias, a dose adequada de pó, água sólida, é despejada na moega do trator agrícola, na semeadora de precisão.

No caso das árvores frutíferas, é feito um rotor e o solo é misturado, ficando a quantidade de água sólida necessária.

Um projeto que reúne gerações

É um projeto de família: o pai do sócio fundador e diretor geral da empresa dona da Agua Sólida, Asdrúbal Mendizábal, era engenheiro químico especialista em polímeros da UNAM.

“Ele disse-me ‘filho, a água vai acabar’”, recorda Asdrúbal anos depois, e a sua previsão tornou-se realidade: “estamos a ficar sem água”.

Seu pai afirmava que os polímeros poderiam contribuir com seu “grão de areia” para ajudar a gerenciar a água de maneira inteligente. O filho pegou a luva e deu início à tarefa e, após anos de pesquisas com a participação da academia, conseguiram desenvolver este produto.

12 anos atrás, eles começaram a comercializá-lo. Hoje, eles atingem milhares de pequenos, médios e grandes produtores em todo o país: produtores de abacate, plantadores de cana-de-açúcar, plantadores de milho, plantadores de feijão.

Além de permitir um melhor aproveitamento da água, essa água sólida faz com que a germinação acelere em até 30%, os caules são mais largos e as folhas mais robustas, dizem.

Além de uma solução para o problema da água, para Asdrúbal é uma demonstração do que os mexicanos são capazes. 

“É incrível ver o quão brutalmente criativos são os mexicanos, com um palito e com um pouco de investimento em equipamentos de laboratório corretos, conseguimos coisas a tal ponto que podemos nos empurrar com os principais laboratórios agronômicos do mundo”, reflete.

CNN

Por

contato@oestadorj.com.br

Webjornal Oerj - O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e