A difícil tarefa de encarar a traição

No amor ou no trabalho, enfrentar um "chifre" depende de inúmeros fatores

Você é capaz de trair? É capaz de perdoar uma traição? Polêmicas à parte, o tema  costuma render muito assunto. Falar sobre esse assunto deixa qualquer debate quente, pois as pessoas tem opiniões distintas.

Quando se fala em traição é muito comum que as pessoas associem imediatamente a relação a dois, porém não se deve esquecer que há traição entre amigos, entre colegas de trabalho e até dentro da família. E, dependendo de que lado venha, pode ser um baque muito forte.

“O pior lado para receber uma traição é daquele em que nós mais confiamos, mais acreditamos que podemos contar e mais estabelecemos relação de intimidade. Isto varia de pessoa para pessoa e pode ser família, amigos, trabalho ou na própria relação amorosa. Isto vai depender tanto da pessoa que foi traída, quanto da pessoa que traiu”, comenta a docente do curso de psicologia da Unopar, Cláudia Razente.

A traição nas relações profissionais

Deslealdade é talvez uma boa definição para o descumprimento de um trato. Ambientes profissionais são meios propícios para disputas e, muitas vezes, a vaidade pode desencadear uma traição. Marisol Camarinha, consultora do Great Group, diz que a traição está muito ligada a dificuldade que a pessoa encontra em cumprir algo combinado. Ela cita uma situação hipotética de traição em um ambiente de trabalho que pode trazer um clima desagradável nas relações profissionais.

“Quando alguém nos pede ajuda para a realização de um trabalho, por exemplo, e pede que sejamos discretos e nós concordamos o combinado é: vou ajudar meu colega e ninguém saberá disso. Mas, quando o trabalho fica pronto é apresentado e elogiado eu decido descumprir o combinado e começo a dizer, aqui e ali, que eu ajudei naquele projeto e faço isso porque não tive a coragem de dizer ao meu colega que também mereço (e quero) participar daquele momento de sucesso”, exemplifica Marisol, mostrando que se as pessoas conseguissem ser mais sinceras umas com as outras talvez houvesse menos situações de inveja e traições.

Abrir um negócio em parceria com qualquer pessoa seja um amigo ou familiar, é preciso agir com profissionalismo. Há quem acredite que abrir sociedade familiar pode não ser bom. Mas segundo Marisol Camarinha, isso não deve ser levado como regra, pois o fato de se conferir contas e comprovantes e monitorar ações não significa desconfiança, mas sim maturidade profissional. Por mais que seja familiar, deve se estabelecer o mínimo de regras nessa relação profissional.

Traição: perdoar ao não?

A descoberta de uma traição é encarda pelas pessoas de diferentes maneiras, porém a questão maior:  É possível perdoar ou não? Tomar essa decisão vai variar em que contexto as pessoas vivem, o que sentem e se há a possibilidade de caminhar em frente com a mesma confiança de antes.

A psicóloga clínica Claudia Razente explica, que no caso de se decidir perdoar uma traição será preciso muito diálogo para não “perdoar por perdoar” e jogar a sujeira para debaixo do tapete. “Deve se deixar claro o quanto a situação foi desagradável e que se espera que não aconteça novamente. E que, sim, haverá perdão, mas não será esquecido”, orienta a Dra. Claudia.

Em casos amorosos, existe a vontade de permanecer com a pessoa mesmo diante de uma traição ou desconfiança. Foi o que aconteceu com a bailarina J.S., que prefere não ser identificada. Em um relacionamento de seis anos ela e o parceiro já terminaram muitas vezes, sempre por desconfiança mútua de traição, mas por amar demais o parceiro, mesmo com os altos e baixos da relação, preferiu voltar.

“Acredito que é possível perdoar. Eu perdoei. Passei uma borracha no passado e mudei. Para perdoar, a pessoa tem que rever a situação e se conhecer bem. Se ela acha que é imperdoável e que não superará, é melhor seguir em frente. Caso ela veja como eu, que a traição é algo que não podemos controlar – e que o sentimento é mais forte, vale a volta, vale o recomeço”, opina a bailarina.

Por

Webjornal O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

Comentários estão fechados.

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e