A corrupção e cara de pau nacional

Nesta semana mais uma evidência da corrupção na política nacional surgiu através da operação Porto Seguro, da Polícia Federal. Desta vez, a ex-chefe de gabinete da presidência da República no estado de São Paulo Rosemary Nóvoa Noronha, recém exonerada do cargo após ter seu nome envolvido em um escândalo de tráfico de influência.

Indicada pelo ex-presidente Lula, a “Rose” como é chamada, passou os últimos anos em contato com o antecessor de Dilma Rousseff, que a manteve no cargo. Ao que tudo indica, ela utilizava o nome de Lula para conseguir técnicos fraudulentos. Infelizmente a história toda mostra mais uma vez o reflexo de como pensa e age uma grande fatia do povo brasileiro. A atitude é mais um tapa na cara nacional, um resumo do que é visto diariamente na rua, no trânsito, no trabalho, em todas as relações pessoais.

A leitura desse parágrafo pode pegar o leitor desavisado, mas, desculpe dizer o que você já sabe: a culpa é geral. Na minha opinião, nós encontramos diariamente os flagrantes da corrupção em nosso dia a dia e por fraqueza de espírito ou de demasiada inocência desfarçada de preguiça ou mais, pela simples falta de exemplo, vivemos na hipocrisia de nos assustar com a corrupção dos que movimentam a política nacional. Pelo menos ainda nos resta esta “cara de pau”, afinal de contas fica feio falar na frente de nossos amigos/colegas etc, que vimos a corrupção e nada fizemos.

Mas esta é a verdade. Eu poderia dizer o quão grande pode ser a decepção de quem acreditava cegamente na capacidade do modelo petista para mudar o Brasil. Poderia falar também que eu, assim com 50 milhões de brasileiros que votaram em Lula em 2002, acreditavam que os nossos antigos “heróis”, que representavam de maneira legítima a voz do povo e dos injustiçados, ou seja, representavam nossos anseios frente a realidade política nacional, poderiam mudar o País, mas o tempo mostrou, não haverá mudança, enquanto nós, cidadãos, criadores da real política nacional, não mudarmos e sairmos do estado de falsidade nacional.

Não digo aqui,  que todos os envolvidos no Mensalão de 2005 e o excesso de gastos dos cartões corporativos em 2008, no Mensalão do DEM ou com o bicheiro Carlos Cachoeira estão eximidos de culpa, pelo contrário, só estou colocando esta conta nas costas de todos nós, afinal de contas (perdão do trocadilho), esses políticos chegaram ao poder de que maneira? Através do nosso voto. Logo, essa sugeira é nossa e precisamos limpar essa história antes que o lixo se acumule. Lembram de Fernando Collor e o processo de Impeachment?

Acredito que a população brasileira não pode mais se dar ao luxo de torcer o nariz ou abaixar a cabeça para os que dizem que nossos escolhidos erraram, roubaram dinheiro público ou deixaram de fazer o que deveria ser feito. É necessário abandonar o discurso de “inocência” e cada um de nós perceber que escolhemos nossos representantes de maneira equivocada e dizer “Sim, nós somos os culpados por isso.”

Temos aceitado ano após ano o fato de que nosso País se encontra mais estável  economicamente, mais justo em termos de divisão de riquezas e melhor de se viver. Isto é evidente, mas busco refletir. Será que não poderíamos ir mais longe? Será que não poderíamos ter feito mais e melhor? E por fim, pergunto: “Que tipo de transformação do Brasil o leitor gostaria de ver?”

Na minha opinião, seria fundamental presenciar um choque de hombridade, honestidade e valorização do caráter humano. Este seria o maior ato revolucionário da América Latina, de todos os tempos. Através da postura, daría-se o exemplo. Já experimentou falar algo em que nunca deu o exemplo? É como saco vazio, não há sustentação, não há verdade, ou seja, não há nada. Imaginem que Brasil teríamos se nós, mudássesmos e criássemos um novo padrão de líderes, que visariam algo mais do que um ajuste da economia, a manutenção da taxa de desemprego e uma maior arrecadação do dinheiro público. Precisamos deixar de ser tão inocentes.

Por

Webjornal O Estado RJ > No ar desde 28/05/2007 > Promovemos o Projeto Futuro Jornalista.

3 comentários

  1. Ricson Garcia

    Fernando, parto do principio que o sistema já está montado e consolidado há tanto tempo que seriam necessários anos, e por que não, décadas, para modificar o panorama atual. Quando você fala que nós temos culpa eu concordo. Quando diz que podemos mudar isso só com a simples atitude de reconhecer, eu discordo pelo simples motivo de que acredito que a nossa política é tão engessada que sem pressão maior do que é essa, é impossivel quebrar tão resistentes correntes

    • Mas o reconhecimento já é algo fundamental. Concordo com a sua afirmação Ricky. A partir do reconhecimento precisamos agir. Sem ação, não existe, logicamente mudança.

  2. Bernard Vital Rosenthal

    Meia culpa dos seu e de outros pais que elegeram esses ” maus políticos” por Décadas, até por falta de candidatos verdadeiramente comprometidos com o Povo, os que entram são engessados pelo sistema, porém somo a ti em dizer PODEMOS DAR UM BASTA, O FATO DE DIZER JÁ É O INICIO DE UMA NOVA ERA cabe a quem lança as ideias e na sociedade o objetivo e somar que podemos mudar com a vontade de mudar e não por dizer “eu” mudei…. , não o” MUDAR É COMPROMISSO ” e quero somar com aqueles que acreditem nessa mudança. Basta de dizer que não vai dar, vai SE QUISERMOS SIM PODEMOS MUDAR AS ATITUDES PESSIMISTAS EM OTIMISTAS , E QUERER MUDAR ! . estou somando contigo e proponho a quem compartilhe nas redes a soma desse raciocínio estejam dispostos a mudar .

http://api.clevernt.com/0d18126b-b33f-11e7-bb95-f213f22ad24e